Bloqueio a Gaza seguirá até soldado ser libertado, diz Olmert

Jerusalém, 28 jan (EFE).- O primeiro-ministro israelense, Ehud Olmert, disse hoje ao enviado especial dos EUA para o Oriente Médio, George Mitchell, que a reabertura das fronteiras com Gaza depende da libertação do soldado Gilad Shalit, seqüestrado desde junho de 2006.

EFE |

Os postos de fronteira "ao dia de hoje estão abertos sem limite para a ajuda humanitária, mas seu funcionamento normal e permanente só poderá acontecer quando se avançar na libertação de Gilad Shalit", disse Olmert a Mitchell, segundo informou à Agência Efe o porta-voz do primeiro-ministro, Mark Regev.

Esse soldado israelense permanece em cativeiro desde que foi capturado em junho de 2006 pelo Hamas e outras milícias palestinas através de um túnel enquanto fazia guarda na fronteira com Gaza.

No encontro com o enviado americano, Olmert também reiterou "o desejo de Israel de que se mantenha o cessar-fogo no sul" (do país).

"Não há nenhum interesse em uma escalada de violência, apesar de Israel se reservar o direito a responder se o Hamas quebrar o cessar-fogo através de ataques mortíferos como o de ontem".

Israel, "também se reserva o direito a responder se continuar o tráfico de armas em Gaza", acrescentou Regev.

Mitchell reafirmou o compromisso do presidente Barack Obama com a segurança de Israel e se comprometeu a trabalhar por uma trégua firme em Gaza, onde um frágil cessar-fogo declarado unilateralmente por cada parte foi quebrado ontem por milícias palestinas que mataram um militar de Israel -que respondeu com mais ataques.

Para isso, deverá se dar fim ao tráfico de armas, a "todos os ataques terroristas" e conseguir a abertura dos postos de fronteira, acrescentou. EFE aca/jp

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG