Assunção, 19 abr (EFE).- A ex-ministra da Educação do Paraguai Blanca Ovelar tem nas eleições deste domingo o desafio de se tornar a primeira mulher a ser presidente do país e evitar o fim de mais de seis décadas de poder do Partido Colorado.

Blanca foi ministra da Educação de abril de 2002 a 2 de julho de 2007, quando renunciou ao cargo para concorrer, como candidata indicada pelo presidente Nicanor Duarte, às primárias "coloradas", realizadas em dezembro último.

Derrotou por uma estreita margem de votos o ex-vice-presidente Luis Castiglioni, que até hoje afirma que houve fraudes no processo interno de votação e se mantém distante da candidatura presidencial de seu próprio partido para as eleições de amanhã.

Seus críticos "colorados" a acusam de possuir pouca história na militância do partido, apesar de estar filiada à legenda há mais de 20 anos.

Blanca assegura que parte da resistência que encontrou entre os dirigentes da base governista se deve a sua condição de mulher.

A ex-ministra nasceu em 1957 no seio de uma família humilde da cidade de Concepción, capital do departamento (estado) de mesmo nome e que faz fronteira com o Brasil.

Blanca é casada com Ramón Duarte, um ex-árbitro de basquete e com quem tem três filhos, e seu primeiro emprego foi o de professora em uma escola rural de sua região natal.

Entre os cargos técnicos que ocupou no Ministério da Educação estão o de diretora geral de Ensino Superior e de funcionária do Departamento de Formação e Especialização Docente e da Direção de Orientação Educacional e Vocacional, todos eles entre 1993 e 99.

No Ministério da Educação colaborou de forma muito próxima com o agora presidente do país, e que era o titular da pasta. Chegou a ser vice-ministra de Duarte, até que este se retirou em 2002 para preparar sua candidatura à Presidência.

O então presidente Luis González Macchi a nomeou imediatamente ministra da Educação.

Blanca se define como social-democrata, e considera que a educação é a melhor forma de fomentar o desenvolvimento de um país.

Avalia também que o Paraguai necessita de uma mulher como ela na Presidência, para impulsionar uma verdadeira mudança no território.

Em sua juventude, obteve medalhas de ouro como melhor estudante, e, como atleta, integrou a seleção de basquete da cidade de Concepción, equipe com a qual obteve quatro títulos nacionais.

Entre as homenagens que recebeu como ministra se destacam as condecorações "Gabriela Mistral", outorgada pelo Governo do Chile em 2004; "Las Palmas Acadêmicas", oferecida pela Embaixada da França em 2005 em Assunção; e a "Ordem da Legião de Honra", também atribuído pela Embaixada francesa, em 2007.

Para manter no poder o Partido Colorado, Blanca terá pela frente amanhã vários adversários, mas principalmente o ex-bispo Fernando Lugo, da Aliança Patriótica para a Mudança (APC), e o general reformado Lino Oviedo, da União Nacional de Cidadãos Éticos (Unace).

EFE rg-ja/fr

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.