Bispos americanos expressam preocupação com apoio de Obama ao aborto

Cidade do Vaticano, 23 jan (EFE).- Os bispos dos Estados Unidos estão preocupados com o apoio do novo presidente, Barack Obama, ao direito ao aborto, e pedem que não assine leis mais radicais que a atual sobre a questão, afirmou hoje o prelado de Orlando, Thomas Gerard Wenski, em declarações à Rádio Vaticano.

EFE |

"Os bispos e outras pessoas dos EUA estão muito preocupados com o decisivo apoio de Obama ao direito ao aborto", afirmou.

"Algumas de suas promessas eleitorais causaram preocupação, perante o temor de que algumas das limitações ao aborto existentes sejam canceladas por um Congresso que seja majoritariamente favorável a esse direito de escolha e por um presidente favorável ao aborto", disse o prelado.

Wenski afirmou que os bispos americanos estão tentando convencer os cidadãos para que falem com os representantes do Congresso e se oponham a qualquer iniciativa que busque ampliar o direito ao aborto.

O bispo acrescentou que, nos Estados Unidos, as normas que regem o aborto são bem mais liberais que as existentes na Europa, e ressaltou que, após uma sentença de 1973, "é possível que uma mulher possa abortar até minutos antes do nascimento natural da criança".

O bispo de Orlando insistiu em sua preocupação com o fato de que "ideólogos pró-abortistas" possam prevalecer no Congresso americano e apresentar a Obama uma proposta de lei "mais radical".

"Desejamos que isso não aconteça, mas, se for assim, esperamos poder convencê-lo a não assiná-la", ressaltou o bispo. EFE jl/db

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG