alimentar contra aumento dos preços agrícolas - Mundo - iG" /
Publicidade
Publicidade - Super banner
Mundo
enhanced by Google
 

Bird prega um New Deal alimentar contra aumento dos preços agrícolas

Para frear o aumento dos preços dos produtos agrícolas, que ameaça a estabilidade dos países pobres, o Banco Mundial (Bird) recomendou um New Deal em escala internacional.

AFP |

"Precisamos de um 'New Deal' para a política alimentar mundial", considerou nesta quarta-feira o presidente do Bird, Robert Zoellick, defendendo a instauração de uma política semelhante ao "New Deal" idealizado pelo presidente americano Franklin Roosevelt depois da crise de 1929.

O Banco Mundial considera que 33 Estados no mundo estão sob a ameaça de perturbações políticas e desordens sociais devido ao aumento repentino dos preços dos produtos agrícolas e energéticos.

Zoellick, que transformou a agricultura em uma de suas principais prioridades quando assumiu o comando da organização, em julho, lançou um apelo à liberação rápida dos 500 milhões de dólares requeridos pelo Programa Alimentar Mundial (PAM).

"Os Estados Unidos, a União Européia e o Japão e os demais países membros da OCDE precisam trabalhao agora para suprir este déficit, para evitar que mais pessoas sofram e morram de fome", declarou Zoellick diante dos membros do Center for Global Development (CGD), uma ONG com sede em Washington.

O PAM lançou em 20 de março um "apelo de extrema urgência". Sua principal responsável, Josette Sheeran, pediu 500 milhões de dólares aos países doadores.

O Bird, por sua vez, "vai dobrar seus empréstimos no setor agrícola na África, de 450 para 800 milhões de dólares", prometeu Zoellick neste discurso, cujo texto foi comunicado à imprensa.

Em março, o preço real do arroz atingiu seu mais alto nível em 19 anos, e o da farinha bateu seu recorde dos últimos 28 anos, lembrou Zoellick, alguns dias antes das assembléias do Banco Mundial e do Fundo Monetário Internacional (FMI), previstas para os dias 12 e 13 de abril em Washington.

Esta inflação obrigou vários países do Sul a tomar medidas excepcionais para garantir seu abastecimento.

"Este New Deal não deve se focalizar somente na fome e na inflação, mas também nas interconexões com a energia, os rendimentos, a mudança climática, o investimento, a marginalização das mulheres, a resistência econômica e o crescimento", disse Zoellick.

O presidente do Bird propôs três medidas para amenizar os efeitos da desaceleração econômica mundial nos países mais vulneráveis: uma ajuda à África paga pelos fundos soberanos, a consolidação da Iniciativa pela Transparência das Indústrias de Extração (EITI) e a conclusão da rodada de Doha da Organização Mundial do Comércio (OMC).

dd/yw

Leia tudo sobre: iG

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG