Bin Laden ameaça França e exige retirada do Afeganistão

Voz atribuída a líder da Al-Qaeda diz que recusa de Sarkozy de deixar país asiático é resultado de obediência aos EUA

AFP |

Um orador alegando ser o o líder da rede terrorista Al-Qaeda, Osama bin Laden, condicionou a libertação de reféns franceses à retirada da França do Afeganistão e advertiu o presidente Nicolas Sarkozy de que suas posições "custaram caro" ao país. As advertências foram feitas em uma gravação divulgada nesta sexta-feira pelo canal árabe Al-Jazira.

"Repetimos a mesma mensagem a vocês: a libertação de seus prisioneiros nas mãos de nossos irmãos está relacionada à retirada de seus soldados de nosso país", declarou a voz atribuída a Bin Laden na mensagem de áudio divulgada pelo canal, que tem sede no Catar.

"A recusa de seu presidente em deixar o Afeganistão é o resultado da obediência dele aos Estados Unidos, e essa recusa é uma luz verde para matar vossos prisioneiros." "Mas não faremos em um momento que seja conveniente a ele", completou.

De acordo com Bin Laden, a posição de Sarkozy "custará caro para ele e custará caro a vocês (os franceses) em diferentes frentes, dentro e fora da França".

Em uma primeira reação oficial, o Ministério das Relações Exteriores francês disse que a França está "determinada" a manter suas tropas no Afeganistão."Estamos determinados a continuar nossa ação em favor do povo afegão, ao lado de nossos aliados", declarou o porta-voz do ministério Bernard Valero, antes de afirmar que autenticidade da gravação de áudio do líder da Al-Qaeda estava sendo verificada.

A ministra francesa das Relações Exteriores Michele Alliot-Marie, que está no Oriente Médio, foi entrevistada em Sderot, no sul de Israel. Ela afirmou que "a França está ao lado de seus aliados a pedido da ONU para ajudar o povo afegão. Penso em nossos reféns no Afeganistão e trabalhamos diariamente por sua libertação".

Dois jornalistas franceses, Stéphane Taponier e Hervé Ghesquière, que faziam uma reportagem para o canal público France 3, foram sequestrados juntamente com três acompanhantes afegãos em 30 de dezembro de 2009, 60 km a leste de Cabul, na instável e montanhosa província de Kapisa.

Eles permanecem como reféns desde então. Ao todo, oito francesas são mantidos reféns no exterior atualmente, e 3.750 soldados franceses estão mobilizados no front afegão.

    Leia tudo sobre: françaafeganistãoosama bin ladenal-qaedasarkozy

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG