Biden reitera apoio americano a processo político no Iraque

Bagdá, 16 set (EFE).- O vice-presidente dos Estados Unidos, Joseph Biden, reiterou em Bagdá o compromisso de seu Governo com o processo político e a reconciliação nacional no Iraque.

EFE |

"O compromisso dos EUA para o estreitamento dos laços com o Iraque continua firme", afirmou Biden numa entrevista coletiva após uma reunião com o primeiro-ministro iraquiano, Nouri al-Maliki.

"Nosso objetivo é trabalhar em associação para criar um Iraque estável", declarou o visitante, segundo quem seu país busca uma relação baseada "no respeito mútuo".

Nesse sentido, o vice-presidente americano, que chegou ontem a Bagdá, fez referência ao "importante passo" dado em 30 de junho, quando as tropas americanas, em respeito ao pacto de segurança assinado em dezembro entre EUA e Iraque, começaram a deixar as cidades iraquianas.

"De acordo com o pacto, continuaremos oferecendo treinamento e apoio" ao Exército iraquiano, declarou Biden, que lembrou que, em agosto de 2010, será a vez de as unidades de combate deixarem o país árabe.

Biden também elogiou as tropas iraquianas, que "mais uma vez demonstraram seu profissionalismo e firmeza" e, por isso, "derrotarão as forças que querem vencer o Iraque". Porém. o vice americano admitiu que ainda há muito "a fazer".

Além disso, o vice de Barack Obama ofereceu suas condolências aos familiares das vítimas dos atentados de 19 de agosto em Bagdá, onde 87 pessoas morreram e mais de mil ficaram feridas.

Ele também fez um alerta sobre os "inimigos da união nacional", que estão dispostos a matar civis para desencadear a violência sectária.

Outro tema abordado no encontro de Biden com Maliki foi o acordo que estabelecerá a base de uma relação de longo prazo nos âmbitos cultural, econômico e comercial entre ambos os países.

No que diz respeito à expansão dos laços econômicos, o vice-presidente antecipou que, em outubro, Washington será palco de uma conferência internacional sobre investimentos no Iraque.

Maliki, por sua vez, ressaltou que suas conversas com Biden focaram a luta contra o terrorismo e os perigos deste para o mundo, além dos esforços contra este fenômeno.

O primeiro-ministro acrescentou que conversou com Biden sobre os passos tomados para o cumprimento do acordo de segurança, "que caminha de forma natural", e o acordo estratégico em várias áreas.

"Esperamos que as relações bilaterais e a cooperação em áreas como a econômica, científica, política e comercial se desenvolvam", afirmou o Maliki.

Ao longo do dia, Biden também se encontrou com os dois vice-presidentes iraquianos, o sunita Tareq al-Hashemi e o xiita Adel Abdel Mahdi, e com o presidente do Parlamento, Iyad Samerrai (sunita).

Um comunicado do escritório de Hashemi indicou que, durante o encontro desta quarta-feira, Biden manifestou o interesse dos EUA em ajudar as eleições iraquianas de janeiro próximo a serem bem-sucedidas.

Eles também estudaram a lei eleitoral que regulará o pleito legislativo e a disputa pela cidade de Kirkuk, pela qual árabes, curdos e turcomanos brigam.

A previsão é que, amanhã, Biden se reúna com autoridades curdos em Erbil, capital da região autônoma do Curdistão iraquiano.

A visita é a terceira que Biden faz ao Iraque só este ano. Ele também esteve no país em janeiro e em julho. EFE am/sc

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG