Betancourt diz não saber o que fará no futuro

Paris, 3 jul (EFE).- A franco-colombiana Ingrid Betancourt, libertada ontem após quase seis anos e meio em poder das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc), não sabe o que fará no futuro, além de lutar pela libertação dos reféns da guerrilha.

EFE |

"Esta liberdade me chega subitamente. Ainda estou sob a anestesia do choque", disse a ex-refém ao correspondente do canal "France 2" em Bogotá.

"Não sei o que farei no futuro. Tinha me programado para mais quatro anos na selva", onde Betancourt disse ter recebido um tratamento desumano, indigno até para para "um animal".

A ex-candidata à Presidência da Colômbia, de 46 anos, foi libertada ontem, junto com mais 14 reféns, em uma operação do Exército Colombiano.

Ao ser perguntada sobre se vai se instalar na França ou na Colômbia, Betancourt, que chegará amanhã a Paris, disse que "o ideal" seria ter "o dom da ubiqüidade, poder estar na França e na Colômbia", embora isso "não seja possível".

"Não sei o que farei. Ficarei na Colômbia? Talvez. Mas, certamente, também irei à França com freqüência", acrescentou.

Apesar da dúvida, no momento, a franco-colombiana quer ficar "um pouco" na França e voltar para a Colômbia. Depois, tomará decisões "em função das necessidades" de seus filhos e de sua mãe, Yolanda Pulecio.

Betancourt disse ainda que, assim que as cerimônias e atos de boas-vindas terminarem, a primeira coisa que fará vai ser se recolher com seus filhos por uns dias, "ficar em família, na felicidade absoluta".

A respeito da intenção de voltar a ter um papel público de destaque, a ex-refém disse que seu compromisso pessoal de lutar pela libertação dos seqüestrados que continuam na selva é "absoluto", embora ainda não saiba "como fazê-lo".

Betancourt disse quer lutar por todos aqueles no mundo que sofrem com os seqüestro, "criar correntes, movimentos, chegar ao coração" das pessoa, explicou.

Sobre se se permanecerá na política ou participará de eleições, afirmou que, "neste momento", não tem uma resposta. EFE al/sc

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG