Bernanke encontra ceticismo entre democratas e republicanos no Senado

Washington, 22 jul (EFE).- O presidente do Federal Reserve (Fed, banco central americano), Ben Bernanke, encarou nesta quarta-feira uma sabatina no Comitê Bancário do Senado, encontrando críticas e ceticismo de parte de democratas e republicanos.

EFE |

Bernanke, que na segunda-feira participou de sessão similar na Comissão de Serviços Financeiros da Câmara de Representantes, apontou que a economia americana, em recessão desde dezembro de 2007, começou a dar sinais de estabilização e, em particular, no setor financeiro - que esteve perto do colapso.

O democrata Christopher Dodd, senador pelo estado de Connecticut e presidente do comitê, reconheceu os esforços da reserva e do Departamento do Tesouro para estabilizar a situação econômica, mas perguntou a Bernanke quando os trabalhadores e a classe média verão resultados.

"Os americanos ouvem sobre uma recuperação na Bolsa de Valores e se perguntam se isto será suficiente para repor tudo o que perderam de suas economias para a aposentadoria. Quando as famílias começarão a sentir os efeitos de nossos esforços para restaurar a economia?", perguntou Dodd.

Richard Shelby, senador pelo Alabama e republicano de mais hierarquia no comitê, acompanhou a linha de raciocínio do presidente, lembrando que "o índice de desemprego está em seu nível mais alto em 26 anos e provavelmente seguirá subindo".

"Embora a reserva tenha tomado medidas extraordinárias para injetar liquidez na economia, a maioria de seus esforços serve para ajudar os bancos, especialmente as instituições dos grandes centros financeiros", acrescentou.

Ele também expressou que, apesar disso, muitos pequenos empresários buscam desesperadamente capital do setor financeiro e não conseguem obtê-lo.

"Se o Fed tivesse cumprido sua responsabilidade de supervisão com maior diligência, a crise financeira não teria as proporções atuais", acusou o senador pelo Alabama.

Diante da recessão mais longa desde a crise financeira dos anos 30 e a pior em cinco décadas, Bernanke assegurou aos senadores que a economia está em vias de se restabelecer.

"A política monetária segue focada no estímulo da recuperação econômica", apontou.

As taxas de juros nos Estados Unidos estão entre zero e 0,25% desde o fim de 2008. Bernanke garantiu que a oscilação não variará por um bom período.

Além de aplicar uma política monetária generosa sem precedentes e comprar todo tipo de ativos de instituições financeiras nos últimos 17 meses, a reserva ampliou seu balanço para mais de US$ 1 trilhão com a aquisição de bônus do Tesouro e a criação de enormes reservas nos bancos.

Economistas acham que tais reservas alimentarão uma rápida inflação se a atividade econômica se recuperar substancialmente, mas Bernanke disse que a reserva tem todas as ferramentas para modificar a política monetária para enfrentar a inflação.

Muitos senadores questionaram a prudência de uma minuta de reforma reguladora feita pelo Governo do presidente Barack Obama, que dá à reserva mais atribuições para supervisionar os riscos sistemáticos na estrutura financeira americana. EFE.

jab/dp

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG