Bernanke defende socorro a Bear Stearns ao dizer que colapso seria caótico

Jorge A. Bañales Washington, 3 abr (EFE).

EFE |

- O presidente do Federal Reserve (Fed, banco central americano), Ben Bernanke, defendeu hoje o socorro financeiro dado ao banco de investimentos Bear Stearns, cujo colapso, segundo ele, geraria um "caos de posições nos mercados financeiros".

Senadores democratas e republicanos perguntaram hoje, durante uma audiência no Comitê de Bancos do Senado, o motivo de o Fed e o Governo do presidente americano, George W. Bush, socorrerem o Bear Stearns enquanto milhões de compradores de casas lidam com execuções hipotecárias.

Além de Bernanke, compareceram a esta audiência o diretor da Comissão de Valores, Christopher Cox, o presidente do Federal Reserve de Nova York, Timothy Geithner, e os executivos-chefes do Bear Stearns, Alan Schartz, e do JP Morgan, James Dimon.

Esta foi a primeira ocasião na qual os dois executivos falaram publicamente do acordo obtido em 16 de março, quando o JP Morgan concordou em comprar o Bear Stearns por US$ 236 milhões - apenas US$ 2 por ação, embora este valor tenha chegado a US$ 10 uma semana depois.

O Fed apoiou a operação com garantias que chegaram a US$ 29 bilhões.

"Só posso dizer uma coisa com segurança", disse James Dimon, do JP Morgan. "Caso o setor público e privado não tivessem colaborado um com o outro para prevenir a quebra do Bear Stearns, haveria agora outras situações mais desastrosas".

Bernanke também defendeu a atuação conjunta e explicou porque isso ocorreu.

"Em 13 de março, o Bear Stearns avisou o Fed e outras agências de Governo que sua posição de liquidez tinha se deteriorado significativamente, e que teria que declarar a quebra no dia seguinte a menos que houvesse fontes de fundos alternativas", contou o presidente do banco central americano.

O presidente do comitê do Senado, o democrata Christopher Dodd, do Connecticut, disse que o Fed tomou a decisão correta, mas quis saber a razão das agências que supostamente vigiam e regulam as operações bancárias e financeiras não terem previsto os sinais de turbulência financeira no Bear Stearns.

O republicano Richard Shelby afirmou que, "quando o Fed comprometeu US$ 29 bilhões para ajudar o JP Morgan a adquirir o Bear Stearns, estabeleceu um novo precedente para o tipo de respostas que o Governo federal pode dar em uma situação de pânico financeiro".

"Pela primeira vez desde a Grande Depressão, o Fed financiou o salvamento de um banco de investimentos", acrescentou Shelby.

O também republicano Jim Bunning, do Kentucky, perguntou a razão de o Governo ter "considerado necessário impedir que a mão invisível do mercado impusesse a disciplina. Isto é socialismo".

Já o senador democrata Robert Menendez, de Nova Jersey, questionou: "Como é possível olhar nos olhos dos compradores de imóveis que têm problemas depois da pressa em ajudar um dos grandes de Wall Street, que caía quando os compradores de casas continuam sendo despejados".

"Mal a crise do Bear Stearns começou e foi resolvida em questão de dias", afirmou Menendez, que acrescentou: "A crise das execuções hipotecárias se prolonga por mais de um ano sem solução à vista".

Bernanke disse que as dificuldades do Bear Stearns causaram "difíceis questões de política pública", quando "normalmente é o mercado que decide quais companhias sobrevivem e quais falham, e é como deve ser".

O presidente do Fed acrescentou que "o impacto adverso de uma quebra não ficaria confinado ao sistema financeiro, mas teria se espalhado amplamente para o resto da economia com efeitos sobre os valores dos ativos e a disponibilidade de crédito".

Desde dezembro, o Fed injetou mais de US$ 400 bilhões nos mercados financeiros e cortou a taxa básica de juros para estimular o consumo, em um esforço para resistir à restrição do crédito e à desaceleração da economia.

"O propósito das ações recentes é, na medida do possível, melhorar o funcionamento dos mercados financeiros e limitar o impacto dos efeitos adversos da turbulência financeira sobre o resto da economia", explicou Bernanke. EFE jab/bba/fal

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG