Berlusconi sai do hospital e pede moderação na política italiana

Roma, 17 dez (EFE).- O primeiro-ministro da Itália, Silvio Berlusconi, recebeu alta hoje do Hospital San Raffaele, onde estava internado desde que, no último domingo, teve o nariz e dois dentes quebrados ao ser agredido com uma miniatura da catedral de Milão.

EFE |

Pouco tempo depois, o chefe do Executivo emitiu um comunicado no qual pedia "calma e honestidade" na política.

"Se do que aconteceu sair uma consciência maior da necessidade de uma linguagem mais calma e mais honesta na política italiana, então esta dor não terá sido em vão", afirmou Berlusconi.

A mensagem do premiê também convida à oposição a se afastar daqueles que fomentam a violência.

"Alguns expoentes da oposição parecem ter entendido: se sabem de verdade tomar distância, de modo honesto, de com relação cerca de poucos instigadores da violência, então finalmente será possível abrir um novo período de diálogo. De todos os modos, nós seguiremos adiante pelo caminho das reformas que os italianos nos pedem", acrescentou.

O "convite" feito por Berlusconi foi interpratado por analistas políticos como um recado para que o opositor Partido Democrata (PD) rompa sua aliança com a legenda Itália dos Valores (IdV) e seu líder, o ex-juiz Antonio di Pietro, o principal acusado pelos correligionários do primeiro-ministro de instigar o ódio ao líder.

"A uns e a outros faço a mesma promessa: seguiremos adiante com mais força e determinação que antes, pelo caminho da liberdade.

Devemos isso a nosso povo, devemos isso à nossa democracia, na qual não prevalecerão nem a violência das pedras nem aquela pior, a das palavras", acrescentou Berlusconi.

Antes de o chefe do Governo deixar o hospital, seu partido, o Povo da Liberdade (PDL), já tinha convidado os dois principais partidos da oposição, o PD e os democratas-cristãos da UDC, a assinarem um "pacto democrático" para abrir uma nova temporada de "diálogo" e de "legitimação recíproca".

Com parte do rosto coberto por curativos, o primeiro-ministro deixou o Hospital San Rafaelle de carro. Ele não saiu do veículo para falar com a imprensa, mas de dentro dele cumprimentou os vários jornalistas que o aguardavam na saída do centro médico.

O premiê seguiu para sua residência em Arcore, nos arredores de Milão. Por recomendações médicas, ele passará os próximos 15 dias em repouso absoluto.

Nas árvores que circundam a mansão de Berlusconi em Arcore, seguidores do chefe do Executivo penduraram uma grande faixa dando-lhe boas vindas.

Segundo a edição de hoje do jornal suíço "Le Matin", nos próximos dias Berlusconi visitará uma clínica no país para "tirar do rosto a marca dos ferimentos da agressão".

A informação, confirmada pelo prefeito da cidade de Gravesano, Carlo Zoppi, ainda não foi comentada pelo Governo italiano.

Na mesma clínica, em 2003, Berlusconi se submeteu a procedimentos cirúrgicos de ordem estética.

Por ora, também estão suspensos todos os compromissos do primeiro-ministro, como a entrevista coletiva de fim de ano e a visita que faria em 25 de dezembro à cidade de L'Aquila, destruída por um terremoto em abril deste ano. EFE ccg/sc

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG