Berlusconi sabia que Ruby era menor de idade, diz imprensa

Autoridades investigam relação de premiê italiano com jovem dançarina de 17 anos que participou de festas em sua casa

iG São Paulo |

Jornais italianos afirmaram nesta segunda-feira que o primeiro-ministro da Itália, Silvio Berlusconi, sabia que a jovem marroquina Karima el Mahroug, conhecida como Ruby, era menor de idade quando a convidou para suas festas privadas.

Na sexta-feira, autoridades informaram que o governante é investigado por suposta incitação à prostituição de menores e por corrupções. De acordo com a imprensa italiana, a Promotoria de Milão investiga se Berlusconi cometeu abuso de poder ao pressionar a polícia para que libertasse Ruby da prisão. Além disso, quer saber se Berlusconi teve relações com a jovem.

Nesta segunda-feira, o jornal "La Reppublica" publica relatos de fontes não identificadas que teriam tido acesso à investigação sobre o 'caso Ruby'. Segundo elas, as autoridades interceptaram ligações telefônicas da jovem para suas amigas na qual assegurava que Berlusconi sabia de sua idade desde o segundo encontro.

O site do jornal "Corriere della Sera" afirmou que as provas contra Berlusconi são "esmagadoras". Segundo o jornal, as autoridades também interceptaram uma conversa telefônia na qual a conselheira regional Nicole Minetti informa Berlusconi de que Ruby será interrogada pelos investigadores. "Eles nunca conseguirão provar que eu sabia que ela era menor", teria respondido o premiê.

As reportagens dos dois jornais desmentem a própria Ruby, que em entrevista publicada no sábado pelo "La Repubblica", disse ter mentido sobre sua idade ao comparecer às festas de Berlusconi. "Mas que prostituição? Silvio me deu 7 mil euros só porque lhe pedi ajuda para encontrar trabalho. O resto são mentiras", comenta.

A jovem marroquina, que completou 18 anos em novembro, afirma que não voltou a falar com o primeiro-ministro. Ruby diz que esteve três vezes na mansão que Berlusconi tem em Arcore - localidade próxima a Milão -, mas que nessas festas sempre havia dezenas de meninas "belíssimas" e ela nem chegou a fazer nada.

Em documento divulgado nesta segunda-feira no site da Câmara dos Deputados, a promotoria italiana disse que um número "significativo" de jovens mulheres se prostituiu para Berlusconi. Eles também suspeitam que o premiê tenha permitido que várias delas, em troca de sexo, usassem gratuitamente apartamentos em um condomínio próximo a Milão.

Caso Ruby

O escândalo envolvendo a jovem veio à tona em outubro, quando a imprensa italiana noticiou que Ruby teria participado de festas ousadas com o premiê. Presa pela polícia após uma acusação de roubo, ela teria contado à polícia detalhes sobre sua participação em comemorações em Villa Arcore, a residência privada de Berlusconi perto de Milão. Na época, a jovem negou ter tido relações sexuais com o premiê.

A marroquina afirmou que em 2009 esteve várias vezes na residência do premiê em Arcore, juntamente com outras jovens para a ‘brincadeira’ do ‘bunga-bunga’.

Segundo Ruby, o estilo de festa é africano e teria sido aprendido pelo premiê com o líder Muamar Kadafi, que gostava de fazê-lo em seu harém. No ‘bunga-bunga’ as moças tiram a roupa, dançam, se beijam e tomam banho para ‘divertir’ um grupo de convidados.

"Sinto muito por tudo o que aconteceu. Sinto muito, sobretudo porque eu envolvi pessoas que me ajudaram sem pedir nada em retorno", declarou Ruby, na época, à agência Ansa.

Com EFE, Reuters, BBC e Ansa

    Leia tudo sobre: rubyberlusconiitália

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG