Italianos votaram em consulta popular contra o retorno à energia nuclear, a privatização da água e a imunidade de ministros

Berlusconi chega para cerimônia de chegada do premiê israelense, Benjamin Netanyahu, em Roma
AP
Berlusconi chega para cerimônia de chegada do premiê israelense, Benjamin Netanyahu, em Roma
Duas semanas depois de sofrer um revés nas eleições municipais italianas, o primeiro-ministro italiano, Silvio Berlusconi, reconheceu nesta segunda-feira derrota em "todos os temas" votados nos referendos realizados no domingo e nesta segunda-feira, com os italianos rejeitando em massa um retorno à energia nuclear, a privatização da água e a imunidade judiciária do premiê e outros ministros.

"(O resultado) demonstra claramente a vontade dos italianos em todos os assuntos", declarou o gabinete do premiê em comunicado divulgado. Segundo os resultados ainda parciais do Ministério do Interior, entre 95 e 96% dos eleitores votaram pelo "sim" ao cancelamento das leis do governo sobre os dossiês votados.

Berlusconi também reconheceu que "a forte participação popular", com uma taxa de 57%, bem superior ao quórum (50% mais um), "demonstra uma vontade de participação dos cidadãos nas decisões sobre nosso futuro que não pode ser ignorada".

Em 29 de maio , a coalizão de Berlusconi perdeu, no segundo turno, a prefeitura de Milão, um de seus redutos tradicionais que nos últimos 18 anos esteve governada pela centro-direita, e enfrentou uma dura derrota em Nápoles para o partido progressista Itália dos Valores (IDV).

Apesar de especulações sobre ameaças à coalizão que lhe garante maioria parlamentar, o premiê assegurou que a maioria governamental está coesa e decidida a continuar adiante, apesar da derrota de seu partido, Povo da Liberdade (PDL), em redutos importantes da Itália.

*Com AFP

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.