Roma, 21 abr (EFE).- O primeiro-ministro eleito Silvio Berlusconi freou hoje o entusiasmo de sua aliada Liga Norte (LN) com relação aos novos ministros da Itália e disse que ainda não há nada decidido.

Um dia após se reunir com dirigentes deste partido e alcançar um acordo, que segundo membros da LN separa três pastas para eles, Berlusconi se recusou a revelar detalhes do novo Governo e se limitou a garantir que "haverá surpresas".

O líder da legenda, Umberto Bossi, anunciou ontem que ocupará o Ministério de Reformas Institucionais, enquanto Roberto Maroni, "número dois" da LN, irá para a pasta de Interior e Luca Zaia assumirá a Agricultura.

Já Roberto Calderoli será o vice-presidente do Governo, afirma o partido.

"Ainda não há nada decidido. Eu é que apresentarei os nomes do gabinete, cerca de 60 (entre ministros e subsecretários) ao presidente da República", afirmou Berlusconi por telefone.

Berlusconi disse em várias oportunidades que seu Governo será composto por 12 ministros e que quatro serão mulheres.

Os únicos nomes que ele apresentou até agora foram os do comissário europeu Franco Frattini e do ex-ministro Giuliano Tremonti, que serão, respectivamente, ministros de Assuntos Exteriores e de Economia.

Berlusconi aproveitou todo o dia de hoje para fazer contatos para formação do Governo. Nesta jornada se reuniu com o presidente da região do Vêneto, Giancarlo Galán.

Segundo um comunicado divulgado no final do encontro, Galán seguirá como presidente regional e o futuro primeiro-ministro deu garantias de que pelo menos dois ministros serão da região do Vêneto e que vários subsecretários também serão desta região.

No comunicado, Berlusconi reiterou que as primeiras medidas de seu Governo estão centradas na segurança e no federalismo fiscal.

O líder conservador também se reuniu hoje com dirigentes de seu partido e nos próximos dias fará isto com o presidente regional da Lombardia, Roberto Formigoni, que segundo a imprensa local desejaria um cargo de âmbito nacional, possivelmente a Presidência do Senado.

EFE JL/fal

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.