Berlusconi quer voltar a governar a Itália

Em carta, ex-primeiro-ministro se diz vítima de chantagens políticas

AFP |

Silvio Berlusconi assegurou neste domingo que se sente orgulhoso pela maneira com que lidou com a crise financeira de seu país e que espera voltar a governar a Itália. A declaração foi feita em carta enviada ao partido A Direita, um dia depois de renunciar ao cargo de primeiro-ministro .

Leia também : Marcado por corrupção e escândalos sexuais, Berlusconi caiu pela economia

AFP
Silvio Berlusconi após discurso no Parlamento italiano, em Roma (13/10)
"Reivindico com orgulho o que conseguimos fazer nestes três anos e meio de governo, marcados por uma crise internacional sem precedentes na história", escreveu na carta enviada ao secretário nacional do partido, na qual também expressa "o desejo de voltar a governar" com eles a Itália.

"Seguimos adiante com a ideia de que a maioria votada pelos italianos tinha o direito e o dever de governar, mas, ao final, reinou no Parlamento a lógica das pequenas chantagens, dos foragidos, um vício antigo da política italiana", enfatizou, ao explicar as razões pelas quais perdeu o apoio da maioria o parlamento.

"Compartilho de seus sentimentos e desejo que retomemos todos juntos o caminho para voltar a governar", escreveu Berlusconi em sua carta.

O magnata insistiu na defesa de sua gestão da crise econômica . "O país deu muito, muitíssimo, em termos de rigor econômico, o que aceitou com grande sentido de responsabilidade e sacrifício com as medidas de julho e agosto", escreveu.

"Se somarmos a dívida pública à poupança privada, a Itália se coloca, pela solidez econômica, no segundo lugar entre os países da Europa, imediatamente depois da Alemanha, antes da Suécia, Grã-Bretanha e os demais", afirmou.

"A Itália conta com empresas que exportam, com um desemprego inferior à média europeia, com o maior patrimônio artístico do mundo e se espera que todo o mundo político, todos, façam um esforço para sair da crise", concluiu.

Berlusconi renunciou na noite de sábado a seu cargo. Ele foi recebido entre vaias no Palácio do Quirinal, onde tornou oficial sua demissão ante o presidente da República, Giorgio Napolitano.

Protagonista dos últimos 17 anos da vida política da Itália, Berlusconi havia prometido renunciar a seu cargo após a adoção definitiva das medidas anticrise tomadas sob a pressão dos mercados e encerrando assim uma era marcada por escândalos judiciais e sexuais, que minaram a imagem do país e tiraram toda a credibilidade da classe governante.

A expectativa é que Il Cavaliere seja substituído por um tecnocrata, o economista Mario Monti , de 68 anos, um especialista em assuntos europeus e por dez anos comissário europeu, que conta com o apoio de quase todos os partidos políticos, entre eles o Partido Democrático (PD, de esquerda), assim como dos industriais.

Contudo, existe a expectativa de que Berlusconi e uma parte de sua formação de direita se oponham de última hora a essa designação, criando um clima de incertezas em relação à implantação do tão esperado governo "técnico".

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG