Berlusconi passa por teste decisivo no Parlamento da Itália

Rejeição de moção de censura contra ministro de Justiça evita eventual queda de governo de primeiro-ministro italiano

iG São Paulo |

O Parlamento italiano rejeitou nesta quarta-feira moção de censura contra o vice-ministro de Justiça da Itália, Giacomo Caliendo, evitando assim a eventual queda do governo liderado por Silvio Berlusconi. A votação na Câmara de Deputados, pedida pelos legisladores oposicionistas do Partido Democrata (PD) e Itália dos Valores (IDV), teve 299 votos contra, 75 abstenções e 229 a favor.

A votação era considerada um grande teste para Berlusconi por ocorrer logo após o rompimento da aliança que ele manteve por anos com o presidente da Câmara dos Deputados, Gianfranco Fini.

Na última semana, o conselho diretivo do partido de Berlusconi, o Povo da Liberdade (PDL), decidiu pelo afastamento de Fini, o que fez com que os partidários do legisladores deixassem a agremiação também.

Com os "dissidentes", Fini criou um grupo parlamentar, chamado Futuro e Liberdade para a Itália (FLI), composto por 10 senadores e 33 deputados, número que poderia alterar a votação desta quarta-feira, fazendo com que o governo perdesse a maioria. Mas, na terça-feira, os dissidentes liderados por Fini anunciaram que se absteriam da votação.

Berlusconi, presente, recebeu aplausos e vaias e não cumprimentou Fini. Os dois tiveram a desavença política depois de 16 anos de convivência na legenda fundada por ambos, o PDL.

Caliendo afirmou ter recebido com "satisfação" o repúdio da Câmara dos Deputados à moção contra ele, pedida pela denúncia de seu suposto envolvimento com uma organização secreta que atuaria para manipular decisões judiciais em troca de favores.

"Continuarei a trabalhar para conseguir a confiança do Parlamento", declarou à Ansa. "Se descobrirem que disse alguma mentira, não terei dúvidas em renunciar. A minha verdade é baseada em elementos concretos", completou.

O debate foi marcado ainda por troca de agressões. Um parlamentar lançou contra o outro a cédula da votação. Logo depois da sessão, a deputada Chiara Moroni, de acordo com a imprensa local, informou sua saída do PDL para associar-se ao grupo de Fini.

*Com AFP e Ansa

    Leia tudo sobre: Itáliasilvio berlusconi

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG