Berlusconi falta a audiência e julgamento de 'caso Ruby' é adiado

Com ausência do premiê, acusado de pagar para ter sexo com uma menor de idade, nova audiência é marcada para 31 de maio

iG São Paulo |

O julgamento do primeiro-ministro da Itália, Silvio Berlusconi, acusado de pagar para ter sexo com uma menor de idade, foi adiado para 31 de maio. O processo começou a ser analisado por um tribunal de Milão nesta quarta-feira, mas nem o premiê nem a garota envolvida no caso, conhecida como Ruby, estiveram presentes na audiência.

Berlusconi também é acusado de abusar de sua influência para liberar a menina - a dançarina Karima El Mahroug, de origem marroquina - quando ela estava sob custódia em uma delegacia sob acusação de furto. O premiê italiano refuta as acusações e diz que o caso é politicamente motivado.

AP
Manifestantes protestam contra Berlusconi em frente a tribunal em Milão

A audiência desta quarta-feira durou apenas sete minutos. Do lado de fora do tribunal, mais de cem jornalistas participavam da cobertura do julgamento. Dezenas de policiais também foram mobilizado para manter a ordem no local, onde aconteceram pequenas manifestações a favor e contra Berlusconi.

O líder alegou, por meio de seus advogados, que não participaria da audiência porque estaria em uma reunião ministerial em Roma. A advogada de Ruby, Paola Boccardi, não explicou o motivo da ausência de sua cliente, mas informou que não se constituirá parte civil no julgamento.

Com isso, Ruby não poderá pedir indenização no caso de Berlusconi ser condenado, e seus advogados não poderão questionar testemunhas. Do contrário, disse Boccardi, seria como admitir que as acusações são verdadeiras. "Karima não acredita que sofreu qualquer dano", afirmou a advogada.

Os advogados e aliados políticos de Berlusconi tentam transferir o julgamento do tribunal em Milão para o Tribunal de Ministros, onde o premiê possui maior influência. A Câmara dos Deputados, controlada pelo partido do líder, recomendou a mudança de tribunal, que será julgada pela Corte Constitucional italiana.

Seja qual for o tribunal, se for considerado culpado Berlusconi pode ser condenado a até 15 anos de prisão, mas analistas políticos esperam um processo demorado, atravancado por atrasos e apelações.

Ao longo dos próximos meses cerca de 20 mil páginas de documentos serão submetidas à Justiça. Entre a documentação a ser apresentada estão gravações telefônicas sobre detalhes das festas de Berlusconi em seu casarão.

A lista de 78 testemunhas do lado do premiê inclui nomes como o astro de Hollywood George Clooney e a sua namorada, a modelo e estrela de TV italiana Elisabetta Canalis, que estariam entre os convidados do premiê em uma das supostas festas. A Justiça ainda vai definir se o casal será convocado.

A promotoria acusa Berlusconi, 74, de ter feito sexo pago com Ruby - que na época tinha 17 anos - no fim do ano passado. Os advogados sustentam que o premiê manteve relações sexuais com a dançarina em 13 ocasiões entre setembro de 2009 e maio de 2010.

Karima teria participado de festas eróticas, chamadas de "bunga bunga", na residência do premiê em Milão, junto com outras jovens. Ruby nega ter feito sexo com Berlusconi e trabalhar como prostituta.

O premiê italiano é réu em quatro processos diferentes - além do caso envolvendo Ruby, outros três por corrupção. No fim do mês passado, ele compareceu pela primeira vez em quase oito anos perante a Justiça para responder por acusações de fraude fiscal envolvendo sua empresa de mídia, Mediaset.

AP
Partidária de Berlusconi mostra calcinha em frente ao tribunal em Milão

Com BBC e AP

    Leia tudo sobre: berlusconicaso rubyitáliaescândalo sexual

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG