La Repubblica perderá leitores se continuar atacando-o - Mundo - iG" /

Berlusconi diz que La Repubblica perderá leitores se continuar atacando-o

Roma - O primeiro-ministro da Itália, Silvio Berlusconi, declarou que se o diário La Repubblica insiste no que considera uma campanha de ataque contra ele continuará perdendo leitores e credibilidade, em entrevista concedida ao periódico Il Giornale, propriedade de seu irmão Paolo.

EFE |

No último dia 24 de agosto, Berlusconi iniciou ações legais contra "La Repubblica" por "difamação" ao publicar artigos sobre sua vida privada e por dez perguntas sobre suas relações com a jovem Noemi Letizia, prostitutas e o uso de aviões oficiais, entre outras.

O chefe de Governo afirmou na entrevista que não se querelou contra o jornal, "só empreendi uma causa civil".

Perguntado por "Il Giornale" se continuará com a causa contra o diário, que pertence ao grupo L' Espresso e ao que pediu um milhão de euros de indenização, Berlusconi respondeu: "Não pergunte a mim, pergunte a eles".

Enquanto isso, mais de 140 mil pessoas assinaram a favor da liberdade de imprensa em adesão a ""La Repubblica"".

Entre eles se destacam os escritores Umberto Eco e Roberto Saviano, o cantor Adriano Celentano e outras figuras do mundo da cultura e do espetáculo como Dario Fo, Andrea Camilleri, Bernardo Bertolucci e Roberto Benigni.

"La Repubblica" dizia ontem que o ataque que é objeto "é só pode ser interpretado como uma tentação de silenciar a liberdade de imprensa, de anestesiar à opinião pública, de isolar da circulação internacional a informação, definitivamente de fazer de nosso país uma exceção da democracia".

As perguntas de "La Repubblica", publicadas durante dois meses, inquiriam quando conheceu Berlusconi a Noemi Letizia, a jovem de 18 anos e a cujo aniversário assistiu em Nápoles e desencadeou o pedido de divórcio de sua mulher, Veronica Lario.

Também perguntava sobre as jovens que lhe chamam "papi" às que recompensava com candidaturas eleitorais, sobre prostitutas, "voos de Estado" com aviões que supostamente transferiam as meninas a suas residências privadas, se havia contradições entre sua política sobre a família e sua atuação privada ou visto tudo isso, quais eram "suas condições de saúde", entre outras.

Os advogados de Berlusconi anunciaram também ações contra meios de comunicação da Grã-Bretanha, França e o diário El País da Espanha, por artigos considerados difamatórios.

Leia mais sobre: Berlusconi

    Leia tudo sobre: berlusconiitalianoitália

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG