ROMA - O primeiro-ministro italiano, Silvio Berlusconi, afirmou hoje que a publicação do jornal El País, http://ultimosegundo.ig.com.br/mundo/2009/06/05/jornal+espanhol+publica+fotos+de+berlusconi+e+amigas+em+mansao+6545983.html target=_topque traz uma série exclusiva de fotos tiradas em sua mansão Villa Certosa, na Sardenha, constitui uma violação da privacidade, embora sejam fotos inocentes.

"Foi uma violação da privacidade, mas são fotos inocentes. Eu recebi uma delegação da República Tcheca e não é possível que uma pessoa a um quilômetro de distância se intrometa em uma situação e tire fotos do interior de uma casa. O direito à privacidade deve ser garantido, sobretudo, na presença de hóspedes ilustres", afirmou em entrevista feita esta manhã por uma emissora de rádio do país.

Sobre a imagem que mostra duas jovens fazendo topless no local, Berlusconi questionou: "Por que elas tomariam banho [de sol] de roupas? Aquelas garotas estavam tomando sol em uma jacuzzi privativa, de uma casa destinada aos hóspedes, e foram agredidas de forma escandalosa".

Antecipadas ontem pelo site do El País, cinco imagens foram publicadas na edição impressa de hoje, sob o título "As fotos que Berlusconi não quer que os italianos vejam". Em uma delas, vê-se o premier ao lado de algumas mulheres, todos vestidos; na outra, duas jovens que tomam sol fazendo topless, e há uma terceira que mostra um homem nu em pé e uma jovem deitada em uma cadeira de praia.

Durante a entrevista, Berlusconi foi questionado também se as imagens não trariam críticas dos católicos do país, que poderiam demonstrar sua rejeição nas eleições administrativas do país e nas europeias, que ocorrem neste fim de semana. "Se existe um governo próximo aos católicos é este, tanto que um alto dirigente do Vaticano definiu as relações entre o governo (italiano) e a Santa Sé as melhores em relação aos governos precedentes", afirmou.

Berlusconi decidiu também denunciar o El País. Em declarações à ANSA, o advogado do premier, Niccolò Ghedini, declarou que sua denúncia baseará-se no fato de a publicação de fotos tiradas na Itália fora do país ser "um comportamento antijurídico". "É evidente que não podem ser compradas por ninguém do mundo. É um crime, e os jornalistas do El País deveriam saber disso".

As imagens são de autoria do jornalista Antonello Zappadu, de 51 anos, e foram tiradas entre 2007 e janeiro de 2009. No último fim de semana, o material foi confiscado pela promotoria italiana após o fotógrafo ter tentado vendê-lo a uma publicação do país. Segundo os promotores, Zappadu é acusado de invasão de privacidade e tentativa de fraude.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.