Bento XVI não perde esperança de paz no Oriente Médio

O Papa Bento XVI afirmou nesta quarta-feira que não perde a esperança de que o Oriente Médio consiga a paz e acabe com a espiral de violência, diante de milhares de fieis que assistiram audiência geral na Praça de São Pedro.

AFP |

O Papa lembrou assim a viagem que fez à região de 8 a 15 de maio, que o levou a Jordânia, Israel e Cisjordânia.

"Nesta terra abençoada por Deus, parece impossível romper a espiral de violência, mas nada é impossível para Deus e para aqueles que acreditam nele", disse o Sumo Pontífice.

Bento XVI voltou a condenar o holocausto nazista e recordou a visita ao Memorial do Holocausto de Jerusalém, construído em homenagem aos seis milhões de judeus exterminados pelos nazistas durante a Segunda Guerra Mundial.

"Que não se esqueça a terrível tragédia do holocausto", disse.

"Toda pessoa é sagrada e seu nome está escrito no coração do Deus eterno", completou.

Antes da visita a Israel, o Papa foi muito criticado pela comunidade judaica mundial pelo fim da excomunhão do bispo britânico Richard Williamson, que negou a existência das câmaras de gás nazistas.

"Jerusalém, cruzamento das três grandes religiões monoteístas e cujo nome quer dizer Cidade de Paz, constitui o desenho de Deus para a humanidade: ser uma única grande família", afirmou o Papa.

"Todos os fieis devem abandonar preconceitos e desejos de dominação e praticar juntos o mandamento fundamental: amar a Deus de todo coração e amar o próximo a si mesmo".

"Judeus, cristãos e muçulmanos são chamados a honrar com atos o Deus ao qual rezam com seus lábios", completou Bento XVI.

bur-kv/fp

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG