O papa Bento XVI afirmou nesta terça-feira, no início de sua visita a Portugal, que o maior sofrimento da Igreja não vem de inimigos externos, mas de seu próprio "pecado", em sua referência mais forte atual à crise de escândalos de pedofilia envolvendo o clero." /

O papa Bento XVI afirmou nesta terça-feira, no início de sua visita a Portugal, que o maior sofrimento da Igreja não vem de inimigos externos, mas de seu próprio "pecado", em sua referência mais forte atual à crise de escândalos de pedofilia envolvendo o clero." /

Bento XVI diz que o perdão não substitui a justiça nos casos de pedofilia

O papa Bento XVI afirmou nesta terça-feira, no início de sua visita a Portugal, que o maior sofrimento da Igreja não vem de inimigos externos, mas de seu próprio "pecado", em sua referência mais forte atual à crise de escândalos de pedofilia envolvendo o clero.

AFP |

O papa Bento XVI afirmou nesta terça-feira, no início de sua visita a Portugal, que o maior sofrimento da Igreja não vem de inimigos externos, mas de seu próprio "pecado", em sua referência mais forte atual à crise de escândalos de pedofilia envolvendo o clero.

"Sempre soubemos, mas vemos hoje de forma muito mais aterrorizante que a maior perseguição da Igreja não vem de inimigos externos, mas nasce do pecado da Igreja", declarou o Papa no avião que o levava a Portugal.

"Os ataques contra a Igreja e o Papa não vêm somente de fora, os sofrimentos vêm de dentro da Igreja, do pecado que existe na Igreja", insistiu aos jornalistas.

"A Igreja tem uma profunda necessidade de aprender o perdão e também a necessidade de justiça" acrescentou Bento XVI, ressaltando que "o perdão não substitui a justiça".

Com isso, Bento XVI reagiu mais uma vez à série de revelações sobre crimes de pedofilia cometidos por padres e religiosos que assolam a Igreja na Europa, e também na América do Norte e Latina há vários meses.

O Papa chegou no fim da manhã a Lisboa, primeira etapa de uma "peregrinação" de quatro dias em Portugal, e espera encontrar, neste país de forte tradição católica, o apoio à Igreja contra a tempestade.

Depois de uma viagem tranquila em meados de abril à pequena ilha de Malta, esta é a primeira vez, desde o início do escândalo, que Bento XVI poderá testar, fora do Vaticano, o fervor de seus fiéis.

Em um discurso no aeroporto, o presidente português Anibal Cavaco Silva lembrou as "relações multi-seculares" entre seu país e Portugal onde, considerou, que "a separação entre a Igreja e o Estado coexiste com as marcas profundas da herança cristã".

Bento XVI insistiu que as questões éticas e espirituais não são "do "domínio privado", no momento em que Portugal se prepara para autorizar o casamento homossexual, três anos depois de ter descriminalizado o aborto.

"A consideração essencial do sentido humano da vida não se reduz ao domínio privado", havia declarado o chefe de Estado português, católico praticante, que deve promulgar antes do dia 17 de maio a lei sobre o casamento homossexual, votada em fevereiro passado.

Depois de deixar o aeroporto, o Papa foi a bordo de seu papamóvel à Nunciatura Apostólica, situada no centro da cidade. Ao longo dos 8 km do trajeto, dezenas de milhares de pessoas se acotovelavam, bradando "Viva o Papa!"

A primeira das três grandes missas ao ar livre da visita do Papa a Portugal está prevista para o final da tarde no Terreiro do Paço, imensa praça da capital portuguesa, às margens do Tejo.

O governo socialista português não poupou esforços em seu apoio a esta "visita de Estado" e decidiu, apesar da crise orçamentária, conceder uma licença excepcional aos funcionários públicos de Lisboa para permitir que participem das solenidades.

Na quinta-feira, os funcionários do Estado em todo o país serão de novamente licenciados para que possam participar das celebrações de Fátima, símbolo do catolicismo de Portugal.

O próprio Bento XVI lembrou que a cidade-santuário é sua "principal destino, em ocasião do décimo aniversário da beatificação dos pequenos pastores Jacinta e Francisco".

No dia 13 de maio de 1917, as duas crianças, de 7 e 10 anos, e sua prima Lúcia teriam visto a Virgem Maria, que teria revelado a eles, em novas aparições, os "segredos" considerados proféticos da história do século XX.

Bento XVI deixará Portugal na sexta-feira à tarde depois de uma missa final ao ar livre, no Porto.

cj-alc/dm

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG