Bento XVI diz que não é possível entender a Bíblia sem fé

Cidade do Vaticano, 14 out (EFE).- O papa Bento XVI disse hoje no Sínodo (assembléia de sacerdotes) que é necessária uma estreita relação entre exegese (interpretação profunda de um texto bíblico) e teologia.

EFE |

Ele advertiu que se a unidade de textos das Escrituras e a tradição viva da Igreja não forem levadas em conta, a Bíblia pode ser vista como um livro do passado e não será interpretada com fé.

Bento XVI discursou na XII Assembléia do Sínodo dos Bispos e falou durante os cinco minutos regulamentares sobre os critérios fundamentais da exegese bíblica, os riscos de ver as Sagradas Escrituras de um ponto de vista positivista e secularista e a necessidade de uma estreita relação entre exegese e teologia.

O papa afirmou que o método histórico-crítico por si só não é suficiente para compreender a Bíblia e que só um estudo "iluminado pela fé leva a captar a unidade profunda de toda a Escritura".

O papa referiu-se à constituição dogmática "Dei Verbum", sobre a revelação divina, e disse que "a hermenêutica da fé" está desaparecendo e em seu lugar vem sendo adotada "a hermenêutica positivista e secularista, segundo a qual o divino não aparece e na história tudo se reduz ao humano".

Nesse ponto, o Pontífice alemão se referiu à principal corrente de exegese na Alemanha, "que nega a instituição do sacramento da Eucaristia por parte de Cristo e assegura que o corpo de Jesus ficou no túmulo".

Bento XVI, que também falou das homilias (preleções dos padres e demais sacerdotes), um dos temas que mais preocupam os 253 bispos presentes no Sínodo e defendeu um diálogo entre exegese e teólogos.

EFE jl/ab/jp

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG