Bento XVI celebra primeira missa de um papa na catedral de St. Patrick

Elena Moreno Nova York, 19 abr (EFE).- Bento XVI realizou hoje na catedral de St.

EFE |

Patrick, em Nova York, a primeira missa de um papa neste templo, enquanto do lado de fora milhares de fiéis esperavam sua saída sob a vigilância de helicópteros que trabalhavam na segurança.

O ato religioso é considerado um momento histórico, já que, apesar de Paulo VI e João Paulo II terem ido à catedral durante suas respectivas visitas a Manhattam, ambos não celebraram uma Eucaristia como fez hoje seu sucessor.

Entre aplausos e gritos de "viva o papa", o pontífice, que hoje completa três anos à frente da Igreja Católica, foi recebido por três mil sacerdotes, diáconos e outros religiosos na catedral, após escutar palavras de boas-vindas do arcebispo de Nova York, o cardeal Edward Egan.

Pouco antes, na entrada da catedral, o bispo de Roma abençoou o templo e foi recebido pelo prefeito de Nova York, Michael Bloomberg, e sua mulher, que assistiram à celebração, na qual o Papa falou dos desafios que a Igreja tem que enfrentar.

Durante a procissão de entrada e enquanto o papa se dirigia ao altar, muitos sacerdotes pegaram suas câmeras para fotografar Bento XVI.

A catedral de St. Patrick, que todo domingo celebra missas em 35 idiomas, foi consagrada em 1879 e é considerada, segundo afirmou hoje o cardeal Egan, como o "centro espiritual da vida católica de Nova York e de veneração para os católicos dos EUA e do resto do mundo".

A missa, celebrada em inglês e com alguns trechos em espanhol e português, entre outros idiomas, foi transmitida ao vivo pelas principais emissoras americanas.

O coral de St. Patrick interpretou diferentes hinos religiosos, acompanhados de alguns movimentos da Nona Sinfonia de Beethoven, assim como de outras peças religiosas de Johann Sebastián Bach e Johannes Brahms.

Do lado de fora da catedral, a Polícia nova-iorquina estabeleceu um perímetro de segurança em torno do templo, protegido por agentes e outras entidades, como o FBI (Polícia Federal americana) e unidades antiterroristas.

A comitiva que acompanha os deslocamentos de Bento XVI por Nova York é cercada por 30 motociclistas, assim como por carros da Polícia.

O aparelho de segurança para a visita do papa é grande. Agentes do Serviço Secreto que vigiam a residência do papa, próxima à sede da ONU, chegaram a pedir, na última sexta, a carteira de identidade do cardeal Egan, informou hoje o "New York Post".

Fora isto, os responsáveis pela segurança do pontífice provaram todo o alimento servido ao líder da Igreja Católica.

O comissário de Polícia de Nova York, Raymond Kelly, deslocou dois mil agentes e elaborou um perímetro de seguranças em torno do local onde está instalado o papa.

A segurança do pontífice é igual ou superior à realizada durante a Assembléia Geral da ONU que acontece anualmente e reúne chefes de Estado e de Governo, assim como ministros de Exteriores de cerca de cem países.

A missa na catedral de St. Patrick foi assistida por milhares de pessoas através de telões instalados nas laterais da igreja.

Muitos deles, que passaram a noite na rua para conseguir um bom lugar, aplaudiram as palavras do papa, assim como fizeram os sacerdotes americanos no interior da igreja. EFE emm/rr/fal

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG