Por David Lewis IAUNDÊ (Reuters) - O papa Bento 16 embarcou na terça-feira em sua primeira visita à África como pontífice, buscando apoio para o continente durante a crise econômica mundial e esperando incentivar a paz e ajudar a promover o combate à corrupção.

O papa iniciou sua visita a dois países por Camarões, onde trabalhadores caiaram muros, recolheram o lixo e os ambulantes foram tirados das ruas na terça-feira, nos preparativos para a visita papal.

Embora o número de católicos praticantes venha diminuindo no mundo desenvolvido, a África, onde alguns avanços democráticos vêm sendo feitos mas ainda há conflitos e crises em ebulição, é vista como vital para o futuro crescimento da Igreja.

Entretanto, a política controversa do Vaticano em relação ao uso da camisinha ainda é motivo de polêmica num continente onde a Aids já matou mais de 25 milhões de pessoas desde a década de 1980.

Enquanto médicos defendem o uso da camisinha para ajudar a frear o avanço da Aids, a Igreja insiste na fidelidade dentro do casamento heterossexual, na castidade e na abstinência sexual.

"O problema não pode ser superado com a distribuição de camisinhas. Isso apenas aumenta o problema", disse o papa a jornalistas a bordo do avião, a caminho da África.

Nos Camarões, Bento vai visitar organizações beneficentes, reunir-se com lideranças muçulmanas e comparecer a uma reunião de bispos que vão tentar mapear o papel da Igreja nas tentativas de melhorar a vida dos africanos. Ainda esta semana, Bento vai embarcar para Angola.

Um outdoor no centro de Iaundê mostrava uma foto do papa e do presidente Paul Biya, com a legenda "uma comunhão perfeita".

Mas muitos na capital estão céticos, especialmente depois que, na semana passada, as autoridades destruíram barracas de feira numa tentativa de limpar a cidade antes da chegada do papa.

"Estou feliz por ele estar vindo, mas ele deveria vir pela religião, não por outras coisas", comentou Calvine Noumbisi, 29 anos, que estava agachada ao lado de uma rua, vendendo terços, livros de orações e incenso para uso numa igreja próxima.

Embora Camarões e Angola sejam países ricos em recursos naturais, onde o petróleo é explorado há anos e milhões de dólares em minérios já foram extraídos da terra, a maioria de seus moradores continua a viver na miséria.

Muitos esperam que esse fato obrigue o papa a pedir que os líderes do continente ponham fim a anos de abuso do poder e má gestão pública.

Na igreja católica São Francisco Xavier, membros da irmandade Ephphata cantavam, dançavam e oravam, suando em suas camisetas políticas, vestidos com estampas religiosas e camisetas de futebol inglesas.

"Estamos felizes", disse Robert Nguidjoi, enquanto os fiéis iam ao altar para receber a bênção do padre. "Jesus veio para salvar os pecadores. Camarões está doente, então estamos felizes porque ele veio nos salvar."

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.