Bento 16 critica uso de preservativos para evitar aids em viagem a África

YAOUNDÉ - Bento 16 chegou a Yaoundé, nesta terça-feira, onde expressou sua oposição ao uso da camisinha como forma de combater a aids. Além disso, a autoridade denunciou que a África sofre de maneira desproporcional com fome, pobreza e doenças, e que seus habitantes imploram a fortes vozes por reconciliação, justiça e paz.

EFE |

AP

Bento 16 é recebido no aeroporto de Yaoundé, na África

Onze anos depois da última visita do papa João Paulo II à África, Bento 16 pisou pela primeira vez no continente. Já no avião que o levava de Roma até Yaoundé, primeira escala de sua viagem de uma semana, falou sobre um dos grandes flagelos africanos: a aids, que afeta 27 milhões de pessoas.

O pontífice afirmou nesta terça-feira que a doença não pode ser combatida somente com dinheiro - apesar de ter destacado que os investimentos para lutar contra a aids são necessários -, nem "com a distribuição de preservativos, que, ao contrário, aumentam o problema".

Segundo especialistas, esta foi a primeira vez que um papa disse publicamente a palavra "preservativo". Até agora, o termo usado mais correntemente era anticoncepcionais.

A aids, segundo o papa, pode ser vencida com "uma humanização da sexualidade, uma renovação espiritual, que abrange uma nova forma de comportamento de uns com os outros", e através da amizade, disponibilidade e amor aos doentes.

A capacidade de sofrer com os que sofrem é a resposta oferecida pela Igreja, acrescentou o papa, que explicou que a "dupla força" da religião é, por um lado, renovar o homem, e, por outro, dar a ele força espiritual e humana, para um justo controle de seu corpo.

Em Yaoundé, o pontífice foi recebido por milhares de camaroneses, que, usando roupas coloridas, cantando e carregando cartazes, aclamaram Bento 16, que se deslocou no papamóvel, para facilitar ser visto pelos fiéis.

No aeroporto, o papa foi recebido pelo presidente, o católico Paul Biya, e sua esposa, que usava um conjunto rosa brilhante e um chapéu grande com cruzes desenhadas.

Após ressaltar que chega à África como pastor, "para confirmar meus irmãos na fé", Bento 16 passou a falar totalmente sobre os problemas que afetam o continente.

O pontífice denunciou que a África sofre, "de forma desproporcional", com fome, pobreza e doenças, e assegurou que seus habitantes "imploram a fortes vozes" por reconciliação, justiça e paz.

Ele condenou o tráfico de humanos, especialmente de mulheres e crianças, crime que considerou "uma forma moderna de escravidão".

"Em um continente que, no passado, viu tantos de seus habitantes serem cruelmente raptados e levados ao outro lado do oceano como escravos, o tráfico de seres humanos, especialmente de mulheres e crianças desarmados, se transformou em uma forma moderna de escravidão", disse o papa ao presidente camaronês.

Reuters

Bento 16 conversa com o presidente do Camarão Paul Biya e sua esposa

Nesse ponto, o papa pronunciou três "nãos": não a novas formas de opressão econômica ou política, não à imposição de modelos culturais que ignoram o direito à vida dos ainda não nascidos - em alusão ao aborto - e não às rivalidades interétnicas e inter-religiosas.

Sobre a questão do aborto, o pontífice destacou a necessidade de serem defendidos "claramente" os direitos dos não nascidos, em Camarões.

Ele pediu a reconciliação dos povos africanos e destacou que a Igreja está preparada para levar adiante sua missão em favor da saúde e da união dos habitantes do continente.

Em relação ao tema sanitário, destacou o trabalho dos centros católicos e considerou elogiável que os doentes com aids recebam tratamento gratuito em Camarões.

Bento 16 disse ainda que os cristãos não podem ficar calados perante a dor ou a violência, a pobreza ou a fome, a corrupção ou o abuso de poder.

Viagem

Nesta quarta-feira, o papa se reunirá com os bispos e com representantes de outras denominações cristãs.

O motivo da primeira viagem do pontífice ao continente é entregar às Conferências Episcopais da África o "Instrumentum laboris" - documento de preparação - do 2º Sínodo para a África, que será realizado em outubro no Vaticano.

A escolha de Yaoundé deve-se a que Camarões é um país considerado uma África em miniatura, com mais de 200 etnias.

De Camarões, Bento 16 irá à Angola, onde comemorará em Luanda o 500º aniversário da evangelização desse país.


Leia também:


Leia mais sobre Bento 16

    Leia tudo sobre: áfrica

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG