Bélgica está em luto por acidente com crianças na Suíça

Vinte e duas crianças morreram em acidente com ônibus que trazia alunos que retornavam dos alpes e bateu no túnel

iG São Paulo |

A Bélgica está em luto pelas mortes de 28 pessoas, sendo 22 crianças , em um acidente de ônibus na Suíça. Autoridades suíças disseram que entre os mortos estão sete holandeses. Dentre os feridos há três holandeses, um polonês e um alemão.

Reuters
Ex-aluna chega à escola na Bélgica onde estudavam vítimas de acidente de ônibus na Suíça
O veículo que levava 52 pessoas de volta à Bélgica depois de uma viagem para esquiar, bateu contra a parede de um túnel na terça-feira. Algumas das crianças feridas foram transportadas por oito helicópteros para hospitais em Sion, Lausanne e Berna.

O primeiro-ministro belga, Elio Di Rupo, classificou a quarta-feira de hoje como “um dia negro para todos os belgas”. O rei Albert expressou seus sentimentos para “todas as vítimas e suas famílias”.

O acidente com ônibus aconteceu depois das 21h na terça-feira em Sierre, região suíça de Valais, próximo à fronteira com a Itália. O Ministério das Relações Exteriores belga disse que a maioria das crianças tinha menos de 12 anos, e o ônibus era um dos três que levavam o grupo cristão. Os outros dois chegaram a salvo na Bélgica.

O grupo de crianças passou uma semana nos Alpes Suíços esquiando em Val d'Anniviers. As vítimas do acidente eram da escola primária Stekske, em Lommel, próximo à fronteira com a Holanda, e de St. Lambertus, em Heverlle, próximo a Leuven. Segundo o Ministério das Relações Exteriores holandês, dez das crianças que viajavam no ônibus eram holandesas, mas todas viviam na Bélgica.

Segundo a imprensa belga, muitas das crianças estão em condições críticas e o número de mortos pode subir.

Na manhã de quarta-feira, pais dos alunos foram à escola St Lambertus, onde professores divulgaram os nomes das crianças que estavam, com certeza, vivas. Muitos dos pais, no entanto, tinham certeza sobre a situação de seus filhos.

“Pais que que sabem que seu filho está vivo estão aliviados, mas para os outros a situação é terrível”, disse o padre Dirk De Gendt. Do lado de fora da escola Lommel, o bispo local Patrick Hoogmartens disse que as famílias estão se sentindo impotentes. “Nenhum dos pais sabem o que aconteceu exatamente, se seus filhos foram ou não atingidos”

O governo belga disponibilizou dois aviões para que parentes dos alunos voassem para a Suíça nesta quarta-feira.

Segundo o ministro de Transportes belga, Melchior Wathelet, a companhia que levava os alunos, a Toptours, tem “uma excelente reputação”. “Os motoristas chegaram uma noite antes e descansaram durante todo o dia antes da partida. Parece que as leis de transito e os períodos de descanso foram respeitados”, disse. Ambos os motoristas morreram no acidente.

De acordo com um procurador suíço, o ônibus não estava em alta velocidade no momento do acidente. O limite de velocidade dentro do túnel é de 100km/h.

Diário

A viagem era aguardada com expectativa pelas crianças. Caminhada noturna iluminada por tocha, jantares com ravióli e almôndegas, passeios de funicular e conhecer um cassino foram algumas das atividades da semana passada dentro do roteiro da viagem classificada como “megalegal” pelos alunos.

O divertimento, no entanto, tornou-se trágico na terça-feira quando o acidente ocorreu. Entre os mortos está o “professor Frank”, que mantinha um blog escrito em holandês para atualizar parentes e amigos das crianças sobre as atividades da viagem.

“Este é nosso primeiro post. A viagem de ônibus foi muito tranquila. Havia pouco transito. Assistimos ao filme ‘Avatar’ e ninguém se sentiu mal durante a subida até os alpes”, escreveu o professor Frank Van Kerckhove.

Leia também: Acidente com ônibus escolar mata crianças palestinas

Nos dias seguintes, os pequenos postaram sobre as férias com alegria no blog idealizado pelo professor. “Nesta tarde, tomamos sopa e comemos ravióli. Muito gostoso”, escreveu uma garota no dia 6 de março.

Pais dos estudantes ficaram felizes com a ideia de Frank sobre o site para mantê-los atualizados.

“O blog era incrível. Havia muitas fotos lindas”, disse Anne De Roo, cujos filhos estudaram na escola. O destino de seu sobrinho, pós-acidente, ainda é incerto. “Ele sempre nos dava notícias sobre o que acontecia, a programação do dia”, contou sobre o professor. “E suas últimas palavras foram ‘Vemos vocês na volta, em breve’”.

null

*Com AP

    Leia tudo sobre: acidenteônibussuíçacrinaçasbélgicaholanda

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG