Beirute e Trípoli vivem em calma enquanto combates acontecem no Monte Líbano

Katy Seleme Beirute, 11 mai (EFE).- A calma voltou hoje a Beirute e a Trípoli, principal cidade do norte do Líbano, após os intensos combates das últimas horas que deixaram 34 mortos, informaram fontes policiais, porém a violência alcançou o Monte Líbano, a sudeste da capital libanesa.

EFE |

Os confrontos entre partidários da maioria parlamentar e a oposição, liderada pelo Hisbolá, se concentram agora nas proximidades de Aley, região de maioria drusa.

Segundo parte da imprensa libanesa, continuam os combates entre milicianos xiitas e partidários do líder druso Walid Jumblatt, membro da maioria parlamentar, nas localidades de Aitat, Kayfun, Baisun, Maite e em Choueifat.

A emissora "Al Jazira" mostrou cenas de intensos tiroteios em Choueifat e de colunas de fumaça em vários pontos da montanha, mas não era possível identificar ninguém.

Em declarações à TV libanesa, Jumblatt afirmou ter realizado contatos com o presidente do Parlamento, o xiita Nabih Berri, dirigente da oposição, para acabar com a violência na região, onde há vários de seus seguidores.

Segundo Jumblatt, os dois concordaram em encarregar o líder druso Talal Arslan - adversário do primeiro e que mantém boas relações com os xiitas - da solução do conflito na região do Monte Líbano.

Jumblatt também disse que o que acontece em Aley e Choueifat põe em risco a paz com os "irmãos xiitas".

Em discurso exibido pela TV, Arslan declarou que pediu aos partidários da oposição o final imediato dos confrontos e a entrega das armas e que entrou em contato com o Exército para se posicionar na região.

A emissora libanesa "LBC" informou que a maioria parlamentar e a oposição chegaram a um acordo para um cessar-fogo na região, que devia entrar em vigor às 18h (12h em Brasília), porém as imagens feitas no local levantam dúvida sobre a veracidade destas afirmações.

Estes combates no sudeste do país eclodiram após o fim dos confrontos em Trípoli, onde foi registrada violência entre a noite de ontem e esta manhã.

Segundo fontes da Polícia, os confrontos, que causaram a morte de uma mulher, foram entre seguidores do líder sunita Saad Hariri, um dos principais dirigentes da maioria parlamentar, e membros do oposicionista Partido Democrata Árabe, integrado majoritariamente por alauítas, seguidores do alauísmo, ramo do xiismo.

As fontes explicaram que os confrontos aconteceram nos bairros de Bab al-Tebane, Kobeh e Jabal Mohsen, no norte de Trípoli, onde há grande presença de alauítas.

Em Beirute, por outro lado, vive-se uma situação de calma e tranqüilidade após o fim dos enfrentamentos que começaram na última quarta.

No entanto, o aeroporto de Beirute, tomado pelo Hisbolá, ainda permanece fechado, enquanto os milicianos continuam escondidos em alguns becos, apesar de se retirarem ontem das ruas da capital libanesa.

Ao meio-dia de hoje foi feito um minuto de silêncio, convocado pelo Governo, em Beirute e outras regiões do país em repúdio à violência.

O primeiro-ministro do Líbano, Fouad Siniora, se reuniu com ministros em frente ao Palácio do Governo para respeitar o minuto de silêncio. EFE ks/wr/fal

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG