Bebês de 4 meses já captam sinais de emoção, diz estudo

LONDRES - Um estudo realizado por pesquisadores britânicos sugere que bebês de quatro meses já são capazes de reconhecer expressões de emoção em adultos.

BBC Brasil |

A equipe, do Centro Cerebral e Desenvolvimento Cognitivo da Universidade de Birkbeck, em Londres, descobriu que bebês conseguem captar os sinais não-verbais utilizados pelo ser humano para se comunicar, como sorriso e sobrancelhas levantadas.

Os especialistas utilizaram métodos de imagens para verificar se as regiões cerebrais implicadas nas percepções dos adultos de comunicação facial também eram ativadas nas crianças.

Nas imagens, um adulto olha fixamente para os bebês e em seguida levanta a sobrancelha e sorri.

Ao medir o nível de oxigênio no cérebro das crianças, os cientistas observaram a ativação das regiões temporal e pré-frontal do córtex, as mesmas que reagem em adultos quando confrontados com sinais não-verbais.

A pesquisa foi publicada na revista especializada Proceedings of The Royal Society, Biological Sciences.

Autismo

Segundo os especialistas, os resultados sustentam a tese de que os bebês nascem com os cérebros já preparados para interagir com outros seres humanos.

O co-autor do estudo, Tobias Grossman, disse que o próximo passo será analisar a importância deste aspecto no desenvolvimento das habilidades humanas de interação social.

"O principal objetivo do estudo é entender os mecanismos cerebrais que sustentam o desenvolvimento das relações sociais", disse Grossman.

"Mas espero que assim que entendermos melhor esses primeiros passos possamos usar este conhecimento para investigar o que pode dar errado nos casos de desordens do desenvolvimento neurológico."
Ainda para os pesquisadores, as técnicas aplicadas no estudo podem ser utilizadas no futuro para diagnosticar os primeiros sinais de autismo.

"Não garantimos que isso possa diagnosticar a doença, mas pode ser uma maneira eficiente de lançar o alerta", disse Mark Johnsnon, um dos autores do trabalho.

Leia mais sobre pesquisas científicas

    Leia tudo sobre: bbcciênciainglaterra

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG