BCE deve atuar se inflação alta durar muito tempo, diz diretor

Por Paul Carrel BERLIM (Reuters) - As políticas fiscal e salarial na zona do euro podem alimentar a inflação, tornando necessário que o Banco Central Europeu (BCE) altere as taxas de juro, afirmou Axel Weber, membro do Conselho Diretor do banco, em entrevista publicada neste sábado.

Reuters |

'Eu estou preocupado que, quanto à condução das políticas fiscal e salarial, a recente taxa de inflação temporariamente alta possa se consolidar por mais tempo do que o necessário acima do nível de tolerância do sistema do euro', disse Weber.

'Havendo indicações dessa alta, precisamos reagir na política de taxas de juro', acrescentou, em entrevista ao jornal alemão Welt am Sonntag. 'Portanto estamos observando os atuais acordos salariais e as decisões de política financeira com muita atenção.'

O BCE manteve a taxa básica de juro em 4 por cento nos últimos 10 meses, ao passo que o Federal Reserve, o Banco da Inglaterra e o Banco do Canadá cortaram suas taxas mesmo diante da aceleração dos preços e da incerteza sobre o impacto da crise global de crédito sobre a economia global.

Outro membro do Conselho Diretor do BCE, o austríaco Klaus Liebscher, afirmou à Reuters na sexta-feira que não há espaço para reduções do juro na zona do euro, e que eventuais aumentos não podem ser descartados.

Weber resumiu ao Welt am Sonntag: 'nossa meta primária é a estabilidade de preços'.

O aumento dos preços de energia e alimentos empurrou a inflação na zona do euro para nova alta de 3,6 por cento em março, bem acima da meta do BCE de pouco menos de 2 por cento.

Apelidado de 'ano mega-salarial' pelo maior sindicato industrial da Alemanha, 2008 já trouxe as maiores elevações de renda em 16 anos para o setor público e siderúrgico.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG