Washington tenta retomar rotina após recorde de neve

Depois de duas nevascas históricas que paralisaram a cidade durante a semana, a capital americana teve nesta sexta-feira seu primeiro dia de aparente normalidade. Os órgãos do governo, fechados desde segunda-feira, voltaram a funcionar nesta sexta-feira.

BBC Brasil |

Lojas e restaurantes abriram suas portas e o trânsito parecia fluir na maioria das ruas.

Mas os efeitos da "Snowmageddon", ou "Snowpocalypse", como a nevasca em duas etapas foi batizada pela imprensa americana, em referência ao ao apocalipse, ainda devem ser sentidos por várias semanas.

Nas avenidas e ruas mais movimentadas de Washington, a neve já foi retirada do centro da pista e das calçadas, e agora permanece acumulada em montanhas brancas ao longo do meio-fio.

Muitas ruas menores em bairros mais afastados do centro, porém, ainda continuam obstruídas desde sábado, quando caiu a primeira nevasca.

Mesmo perto da Casa Branca, em algumas vias secundárias, a neve ainda impede a passagem.

Limpeza
Depois da neve que caiu no fim de semana e chegou a quase um metro em algumas áreas, os habitantes de Washington tiveram um pequeno intervalo, em que começaram a limpar as ruas.

Mas a partir de terça-feira, uma segunda nevasca cobriu a cidade de branco novamente, fazendo com que este seja o inverno com maior volume de neve já registrado.

A previsão é de que o trabalho de retirada da neve das ruas e calçadas ainda leve vários dias até ser concluído, provocando irritação em quem vive nessas áreas.

A imprensa local chegou a noticiar casos de trabalhadores da prefeitura ameaçados por moradores de ruas obstruídas pela neve que não estavam na rota a ser coberta pelo serviço de limpeza.

O prefeito Adrian Fenty, que concorre à reeleição em novembro, já disse que a neve deverá "testar a paciência" dos habitantes de Washington.

Segundo o prefeito, neste inverno já foram gastos bem mais do que os US$ 6 milhões (R$ 11 mi) reservados no orçamento para remoção da neve.

Transtornos
Desde o último fim de semana, a neve causou inúmeros transtornos na capital.

Antes mesmo que os primeiros flocos começassem a cair, os americanos já eram orientados a estocar água e alimentos em casa, e nos supermercados o cenário era de filas imensas e prateleiras vazias.

A procura por pás foi tanta na semana passada que o estoque acabou em várias lojas.

A partir do fim de semana, a neve fez com que aeroportos fossem fechados, milhares de voos cancelados, e o sistema de transporte fosse parcialmente interrompido em Washington.

Muitos acidentes foram registrados por causa do vento forte e do gelo nas estradas. Na cidade, não era raro avistar pedestres derrapando ou mesmo caindo nas calçadas escorregadias.

Uma estimativa do governo calcula que o tempo em que os escritórios e órgãos públicosficaram fechados custou até US$ 100 milhões (R$ 186 mi) por dia em perda de produtividade.

Algumas áreas ainda permanecem sem energia, e a maioria das escolas só deve reabrir as portas na próxima semana.

Nesta sexta-feira, o dia foi de sol em Washington, mas a neve castigou os Estados do sul americano, entre eles Louisiana, Texas e Flórida.

No entanto,o Serviço Nacional de Meteorologia prevê que a neve deve voltar a Washington na segunda-feira.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG