Vulcões forçam retirada de milhares no Equador e na Guatemala

Na Guatemala, vulcões deixam pelo menos 2 mortos e 3 crianças desaparecidas; no Equador, fenômeno força fechamento de aeroporto

BBC Brasil |

selo

Milhares de pessoas foram forçadas a deixar suas casas e buscar refúgio após dois vulcões entrarem em erupção na Guatemala e no Equador . As erupções provocaram o fechamento dos principais aeroportos dos dois países.

Na Guatemala, pelo menos duas pessoas morreram em consequência da entrada em atividade do vulcão Pacaya, incluindo um repórter de TV que cobria a erupção. Outras 50 pessoas ficaram feridas desde a quinta-feira, quando o Pacaya começou a expelir lava, pedras e detritos. Três crianças estão desaparecidas.

No Equador, o vulcão Tungurahua forçou o esvaziamento de sete vilas próximas e fechou o aeroporto e as escolas de Guayaquil, a maior cidade do país. Acredita-se que não há relação entre as duas erupções.

Estado de emergência

O presidente da Guatemala, Ávaro Colom, declarou estado de emergência na região de Escuintla, na Cidade da Guatemala e em outras áreas no entorno da capital. Pelo menos 1.700 pessoas foram obrigadas a deixar suas casas por causa da erupção do vulcão, localizado a cerca de 30 quilômetros ao sul da capital.

A Cidade da Guatemala ficou coberta por cinzas - em algumas áreas, havia até sete centímetros de cinzas acumuladas - , obrigando o fechamento do principal aeroporto internacional do país. Sismólogos advertiram para a possibilidade de novas erupções do Pacaya nos próximos dias.

No Equador, a erupção do Tungurahua expeliu nuvens de fumaça a até 10 mil metros de altura. Fortes ventos levaram a fumaça para cima de Guayaquil e forçaram as autoridades de aviação a fechar o aeroporto da cidade, o mais movimentado do país. Milhares de pessoas tiveram que deixar suas casas na região do vulcão, 150 quilômetros a sudeste da capital, Quito.

    Leia tudo sobre: guatemalaequadorvulcão

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG