Venezuela prende político que disse que país ajuda narcotráfico

Um ex-governador venezuelano foi preso depois de ter dito em um programa de televisão que a Venezuela dá apoio às operações de traficantes de drogas. A declaração de Oswaldo Alvarez Paz, governador do Estado de Zúlia entre 1989 e 1995, foi feita no dia 8 de março, durante um programa do canal Globovisión, de oposição.

BBC Brasil |

Segundo Paz, a "Venezuela se converteu no centro de operações que facilita os negócios do narcotráfico".

O ex-governador, que foi candidato à Presidência da Venezuela em 1993, também teria dito que o governo do presidente venezuelano Hugo Chávez apoia "as estruturas das Farc (Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia, o maior grupo rebelde colombiano)".

A Procuradoria Geral da Venezuela abriu processo contra o político dois dias depois das declarações, acusando-o de conspiração, de instigação pública à delinquência e de difundir informação falsa.

Caráter 'político'
Paz deve começar a ser julgado nesta quarta-feira e, se for considerado culpado, pode pegar pena de dois anos a 16 anos de prisão, conforme informaram meios de comunicação oficiais.

Pouco antes de ser detido, segundo o canal Globovisión, o político assumiu a responsabilidade por suas declarações.

"Assumo integralmente a responsabilidade pelas coisas que falo e pelas coisas que faço", disse.

Para o advogado do ex-governador, Omar Estacio, a prisão tem caráter "político".

O partido opositor COPEI, do qual Paz faz parte, emitiu um comunicado afirmando que "o atual regime considera um delito opinar".

Governo e Justiça
O governo por sua vez, negou estar por trás da prisão do político opositor.

"Este cidadão não foi detido por ordem do presidente Hugo Chávez, e sim pela ordem de um tribunal", disse o ministro de Interior e Justiça Tarek El Aissami em entrevista coletiva em Caracas.

El Aissami disse que a "burguesia venezuelana" pretende estar "por cima da lei" e disse que Paz tem que "assumir as consequências" de afirmar "algo tão grave como tentar vincular nosso governo com redes do narcotráfico e terrorismo".

O deputado governista Manuel Villalba, da comissão de Meios de Comunicação do Parlamento, disse à agência de notícias estatal ABN que a prisão do opositor não representa uma ameaça à liberdade de expressão.

"(Na Venezuela) existe plena liberdade de expressão, mas não se pode confundir com libertinagem que leve à desestabilização e ao rompimento com a paz da cidadania", afirmou.

A defesa do ex-governador ainda aguarda resposta sobre o pedido de habeas corpus.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG