Para especialista, ataques foram "decisões racionais de um predador para encontrar comida" e tentar caçar animais será inútil

selo

Vários tubarões seriam responsáveis pelos ataques incomuns ocorridos nos últimos dias nas águas do balneário egípcio de Sharm el-Sheikh, no Mar Vermelho, segundo um investigador americano. O biólogo marinho George Burgess disse que dois ataques foram feitos por um tipo de tubarão e outros dois, por um exemplar de outra espécie.

Uma turista alemã foi morta e quatro pessoas feridas nos ataques da semana passada. Muitas das praias foram fechadas para turistas desde os ataques.

'Decisões racionais'

Burgess disse à BBC que os ataques foram "decisões racionais de um predador para encontrar comida" e que tentativas de caçar os tubarões seriam inúteis. O especialista aponta fatores ambientais como causa dos eventos.

Turistas são vistos em praia do resort de Sharm el-Sheikh, no Egito, onde mergulho foi proibido após ataque de tubarão (06/12)
Reuters
Turistas são vistos em praia do resort de Sharm el-Sheikh, no Egito, onde mergulho foi proibido após ataque de tubarão (06/12)

Burgess disse também que tubarões podem ter sido atraídos pelo fato de um navio de carga ter despejado carcaças de animais no Mar Vermelho no mês passado. Ele afirmou que as pessoas poderiam minimizar os riscos de ataque nadando em grupos, na parte interna dos corais e evitar mergulhos noturnos.

O governo da região disse que um dos animais envolvidos no ataque, um tubarão-mako (Isurus oxyrinchus) foi capturado, mas não se sabe o paradeiro do que matou a alemã, uma espécie de tubarão branco, o Galha-branca-oceânico (Carcharhinus longimanus). O governo do Egito está preocupado com o impacto dos ataques para sua indústria do turismo, que gerou US$ 11,6 bilhões em 2009.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.