Universidade faz vigília por estudante que se matou após ser exposto na internet

Jovem americano pulou de uma ponte após colega de quarto divulgar imagens de momento íntimo com outro homem

BBC Brasil |

selo

A Universidade Rutgers, em Nova Jersey, nos Estados Unidos, realizou uma vigília à luz de velas em homenagem ao estudante que cometeu suicídio após ter sua homossexualidade exposta na internet. Tyler Clementi, um violinista de 18 anos, teria descoberto que dois colegas de dormitório filmaram clandestinamente seu encontro íntimo com outro homem e colocaram as imagens na internet.

AP
Estudantes participam de vigília na Universidade de Rutgers, em Nova Jersey (03/10/2010)

Os dois jovens, Dharun Ravi e Molly Wei, foram indiciados por invasão de privacidade, crime que tem pena máxima de cinco anos de prisão, mas esta pena pode dobrar caso a promotoria decida levar adiante acusações de discriminação sexual.

'Civilidade e compaixão'

A vigília na universidade durou uma hora e, segundo o reitor da Rutgers, Richard McCormick, foi "uma oportunidade de união em um momento difícil para reafirmar nosso compromisso com valores de civilidade, dignidade, compaixão e respeito mútuos".

No sábado, a universidade também prestou homenagem a Clementi durante um jogo de futebol americano. O locutor pediu um momento de silêncio em memória do jovem que estava em seu primeiro ano como universitário.

Segundo relatos de estudantes, houve sérios confrontos no campus na semana passada. Enquanto um grupo de universitários defendia que tudo não passou de uma brincadeira que deu errado, outro grupo dizia que as ações do colega de quarto de Clementi, Dharun Ravi, foram motivadas por homofobia.

O caso de Clementi é o último em uma série de suicídios de adolescentes que sofreram abusos verbais e físicos ou foram vítimas de campanhas na internet por causa de sua sexualidade.

AP
Tyler Clementi, em foto de 2009
Um estudo feito pela Gay, Lesbian and Straight Education Network (GLSEN) com 7.261 alunos de escolas americanas concluiu que 9 entre dez estudantes sofreram algum tipo de abuso no ano passado e quase dois terços acham que sua segurança está em risco por causa de sua orientação sexual.

Timidez

Tyler Clementi tinha fama de reservado e tímido. No dia 19 de setembro, Dharun Ravi postou uma mensagem no twitter que dizia: "Colega de quarto pediu o quarto até meia-noite. Eu fui para o quarto da Molly e liguei minha webcam. Eu o vi tendo um amasso com outro cara. Uhu". Naquela noite, segundo as autoridades, Ravi teria colocado o vídeo do encontro íntimo de Tyler Clementi na internet.

No dia 21, outra mensagem postada por Ravi parece fazer referência a uma segunda tentativa de expor Clementi: "A todos com iChat: vocês precisam me encontrar online entre 9h30 e 12. Sim, está acontecendo de novo". Não se sabe exatamente quando o violinista descobriu o que seu colega de quarto havia feito, mas o incidente teria se tornado a grande fofoca do dormitório.

Na noite do dia 22, o violinista pulou da ponte George Washington, que liga Nova Jersey a Nova York. No mesmo dia, ele recebeu a notícia de que havia conseguido o tão sonhado lugar como violinista na orquestra sinfônica da universidade.

    Leia tudo sobre: interneteuauniversidade

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG