Tribunal do Paquistão acusa polícia e Taleban por morte de Benazir Bhutto

Um dos oficiais de polícia acusados foi Saud Aziz, chefe da polícia de Rawalpindi em 2007, cidade onde Bhutto foi assassinada

BBC Brasil |

selo

Um tribunal contra terrorismo do Paquistão acusou dois importantes oficiais da polícia do País por falhas na segurança e por não terem conseguido proteger a ex-primeira-ministra paquistanesa Benazir Bhutto, que morreu assassinada em 2007. Um dos oficiais de polícia acusados foi Saud Aziz, chefe da polícia de Rawalpindi em 2007, cidade onde Bhutto foi assassinada. Ele e o outro policial foram presos há quase um ano.

Leia também: Paquistaneses prestam homenagem a Benazir Bhutto

O promotor Mohammad Azhar disse que os dois policiais foram acusados de "mudar os planos de segurança para Benazir Bhutto". Cinco militantes do Taleban também foram acusados de associação criminosa. Todos os sete negam as acusações. Bhutto foi assassinada em dezembro de 2007, vítima de um atentado suicida enquanto participava de uma carreata eleitoral.

Ela foi primeira-ministra do Paquistão por duas vezes - entre 1988 e 1990 e entre 1993 e 1996. Fugitivo Depois da morte de Benazir Bhutto, o partido dela, Partido do Povo Paquistanês, venceu as eleições gerais e o viúvo da ex-primeira-ministra, Asif Ali Zardari, assumiu a Presidência, depois da renúncia de Pervez Musharraf.

Segundo a agência de notícias AFP, os cinco militantes estão presos há quase quatro anos. Eles são acusados de trazer o suicida para Rawalpindi, para que ele realizasse o ataque. Outros três suspeitos, incluindo o líder do Taleban paquistanês, Baitullah Mehsud, foram mortos. Mehsud foi morto em um ataque americano em 2009. Dois suspeitos continuam foragidos.

Pervez Musharraf, presidente do Paquistão na época do assassinato de Bhutto, também foi implicado no crime. O tribunal determinou uma ordem de prisão para Musharraf em fevereiro de 2011 devido ao que o tribunal afirmou ser o fracasso do ex-presidente em garantir a segurança de Bhutto. O ex-presidente nega as acusações. Musharraf foi declarado fugitivo depois de não comparecer ao tribunal em fevereiro. E, em agosto, o tribunal determinou o confisco de seus bens e o congelamento de suas contas bancárias no Paquistão.

    Leia tudo sobre: paquistãobenazir bhutoPervez Musharraf

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG