Tibetanos elegem novo líder político no exílio

Lobsang Sangay assumirá o Parlamento tibetano após anúncio de que o dalai lama, de 76 anos de idade, abandonaria funções políticas

BBC Brasil |

selo

O acadêmico da Universidade de Harvard Lobsang Sangay, de 43 anos de idade, é o novo primeiro-ministro do governo exilado do Tibete. O resultado do pleito, que aconteceu em março, foi divulgado nesta quarta-feira pelo comitê eleitoral do governo.

Desde a invasão chinesa em 1950 o Tibete é oficialmente uma região autônoma da China. Mas o governo exilado do Tibete, com sede na cidade de Dharamsala, na Índia, luta por mais liberdade para a região.

AP
Foto de março mostra Lobsang Sangay com a bandeira tibetana ao fundo
"O Comitê Eleitoral da Administração Central Tibetana de Sua Santidade o Dalai Lama declarou que o doutor Lobsang Sangay é o terceiro kalon tripa", disse o porta-voz do comitê eleitoral, Jamal Thosang, usando o termo tibetano para primeiro-ministro.

Mesmo sem nunca ter vivido no Tibete, Sangay assumirá o comando do Parlamento tibetano após o anúncio de que o dalai lama , de 76 anos de idade, abandonaria as funções políticas, mantendo apenas a função de líder espiritual.

Estratégia

O dalai lama disse que a decisão de transferir a responsabilidade a um representante eleito é do interesse do povo tibetano.

Segundo analistas, a manobra pretende garantir que, mesmo que o governo chinês tente escolher o próximo dalai lama, os tibetanos terão um líder eleito além do controle do Partido Comunista.

O correspondente da BBC em Dharamsala, Mark Dummet, diz que Lobsang Sangay tem a difícil tarefa de tentar manter a questão do Tibete presente no mundo, enquanto o homem que personifica a luta pelos direitos tibetanos gradualmente sai de cena. Dummet lembra ainda que o acadêmico foi eleito chefe de um governo que nenhum país reconhece. Além disso, ele terá a China, que não demonstra estar disposta a fazer concessões, como oponente.

Exílio

O novo primeiro-ministro, que nasceu em um assentamento de refugiados tibetanos na Índia, teve 55% dos votos e derrotou outros dois candidatos, Tenzin Tethong, ex-representante do dalai lama nos Estados Unidos, e Tashi Wangdi, membro do governo do país.

Lobsang Sangay, de 42 anos, é o primeiro cidadão do Tibete a ter um título de PhD em Harvard, mas nunca visitou seu país.

A eleição do novo representando político tibetano teve a participação de cidadãos exilados de todo o mundo. Segundo Jamal Thosang, cerca de 83 mil exilados do Tibete puderam votar e 49 mil votos foram contabilizados.

Lobsang Sangay nasceu na Índia e é especialista em legislação, formado em Harvard. Seu pai deixou o Tibete em 1959, no mesmo ano que o dalai lama.

Em um pronunciamento nesta quarta-feira, após o anúncio de sua vitória, Sangay disse que se confortava com o fato de que a transferência das funções políticas acontece enquanto o dalai lama "está saudável e disponível para zelar por nós". "Eu peço a cada tibetano e amigo do Tibete que se junte a mim em nossa causa comum de aliviar o sofrimento dos tibetanos no Tibete ocupado, e para que Sua Santidade possa retornar para seu lugar de direito", disse.

Em entrevista à BBC antes da divulgação dos resultados da votação, o acadêmico disse que qualquer primeiro-ministro eleito deveria pôr em prática a posição do dalai lama sobre as relações com a China.

"O que Sua Santidade defende é o 'caminho do meio', que é a autonomia dentro da China e dos parâmetros da constituição chinesa", disse. "Se a autonomia genuína for concedida aos tibetanos, Sua Santidade afirmou que está disposto a aceitar o Tibete como parte da China."

O Tibete foi ocupado em 1950 pela China, que diz que a região é parte de seu território.

    Leia tudo sobre: dalai lamachinatibeteíndia

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG