Suspeito que declarou "guerra à polícia" é morto na Inglaterra

Após cerco policial, Raoul Moat teria atirado contra si mesmo

BBC Brasil |

selo

Após quase uma semana de buscas, as operações para capturar um homem acusado de matar uma pessoa e ferir outras duas terminaram nesta sexta-feira no nordeste da Inglaterra com o suspeito aparentemente atirando contra si próprio e morrendo após ser socorrido, segundo fontes da polícia.

Localizado na noite desta sexta-feira, o suspeito Raoul Moat resistiu a um cerco da polícia britânica na cidade de Rothbury e, após seis horas de negociações, aparentemente atirou contra si, sendo levado para um hospital, onde teria morrido.

De acordo com um comunicado divulgado pela polícia de Northumbria, "nenhum tiro foi disparado pelos policiais" durante o cerco. Nenhum policial ficou ferido. A produtora da BBC Claire Kendall, que estava próxima ao local, afirmou ter ouvido dois tiros sendo disparados.

'Guerra contra a polícia'

Moat estava foragido há quase uma semana, após supostamente ter baleado e ferido sua ex-namorada, Samantha Stobbart, e ter matado o novo namorado dela, Chris Brown, no último sábado. Ele havia deixado a prisão de Durham dois dias antes, depois de cumprir pena de 18 meses por agressão. No domingo, Moat teria disparado contra o policial David Rathband, que estava em um carro de patrulha, perto de Newcastle. Rathband ficou ferido.

Depois dos incidentes, a polícia britânica organizou uma grande operação com centenas de homens para localizá-lo, o que acabou ocorrendo apenas nesta sexta-feira. Após o ataque ao policial, uma carta de 49 páginas escritas a mão atribuída a Moat foi entregue ao jornal The Sun.

No documento, o suspeito afirmava estar declarando "guerra à polícia", dizendo que não pararia "até ser morto". "Na noite passada, liguei para o 999 (o serviço de emergências britânico) e declarei guerra contra a polícia antes de atirar contra um policial (...)", diz a carta. "O público não precisa ter medo, mas a polícia deveria, pois não vou parar até ser morto", diz o documento.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG