Retirada em 2011 é condicional, diz comandante dos EUA no Afeganistão

David Petraeus diz que comunicará Obama se considerar "prematura" a saída das tropas americanas em 2011

BBC Brasil |

selo

O novo comandante das tropas internacionais no Afeganistão, o general americano David Petraeus, afirmou em uma entrevista transmitida neste domingo que não se aterá necessariamente à data estabelecida pelo presidente Barack Obama para começar a retirada das tropas do país, em 2011.

Na entrevista à rede de TV NBC, Petraeus disse que se reservará o direito de dizer ao presidente Obama se considerar que a data prevista para a retirada é prematura. "O presidente foi claro... esta é a data na qual o processo começa, mas depende das condições", afirmou Petraeus. "Se as condições permitirem, faremos a transição para nossas contrapartes nas forças de segurança e no governo afegãos, para que isso permita uma redução responsável de nossas forças", disse ele.

'Missão dura'

A entrevista de Petraeus aconteceu após as forças americanas terem enfrentado, em julho, o maior número de mortes em um mês desde o início do conflito, em 2001. Segundo o general, a missão no Afeganistão "é dura e permanecerá assim".

Obama estabeleceu 2011 como objetivo para o início da retirada das tropas americanas do Afeganistão ao mesmo tempo em que aprovou o envio de 30 mil soldados adicionais ao país, em dezembro de 2009.

Mas Petraeus disse que o progresso no Afeganistão apenas começou na segunda metade do primeiro semestre, quando o reforço nas tropas começou a chegar.

Petraeus assumiu o comando das forças internacionais no Afeganistão no mês passado, em substituição ao general Stanley McChrystal, demitido após criticar o governo Obama em uma entrevista.

Bin Laden

Durante a entrevista à NBC, o general disse ainda que a prisão do saudita Osama Bin Laden, líder da Al-Qaeda, permanece como um dos objetivos principais da missão militar no país. Ele descreveu Bin Laden como uma "figura icônica" para os insurgentes e disse que sua prisão é 'uma missão muito importante".

O general, que antes de assumir o comando no Afeganistão liderava as forças americanas no Iraque, afirmou que a reconciliação no país exigirá um diálogo com o Taleban e com outros grupos insurgentes. "No Iraque, tivemos que enfrentar a questão: 'Vamos nos sentar à mesa com pessoas que têm sangue nas mãos?` E a resposta foi sim. Foi uma decisão que eu tive que tomar", disse

Segundo ele, o Afeganistão tem grande potencial econômico. "O Afeganistão é abençoado com a presença de minerais que valem trilhões de dólares", disse Petraeus.

Neste domingo, o governo afegão anunciou que uma análise feita por especialistas afegãos e estrangeiros descobriu reservas de petróleo estimadas em 1,8 bilhão de barris no norte do país. Anteriormente, o Afeganistão já havia dito que suas reservas minerais, incluindo grandes reservas intocadas de petróleo, gás, ouro e cobre, poderiam valer até US$ 3 trilhões.

    Leia tudo sobre: afeganistãoobamaguerra

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG