Resultados preliminares indicam vitória de Kagame em Ruanda

Com mais de um terço das urnas apuradas, atual presidente do país tem 92% dos votos

BBC Brasil |

selo

Resultados preliminares das eleições realizadas em Ruanda na última segunda-feira apontam para uma grande vitória do presidente do país, Paul Kagame, que deve conquistar mais um mandato de sete anos.

De acordo com a comissão eleitoral do país, a apuração nas urnas de pouco mais de um terço dos 30 distritos eleitorais de Ruanda indica uma vitória de Kagame com mais de 92% dos votos. O atual presidente de Ruanda também teria conseguido cerca de 96% dos votos dos ruandeses que vivem no exterior.

Os resultados foram recebidos com festa pelos partidários do presidente, que, após o fechamento das urnas, se reuniram em um estádio da capital Kigali para comemorar, na noite de segunda-feira. Seus simpatizantes afirmam que Kagame trouxe estabilidade e crescimento para o país desde o genocídio de 1994, mas críticos o acusam de suprimir a oposição.

AFP
Partidários de Kagame comemoram resultado parcial das eleições em Kigali, em Ruanda

Esta foi a segunda eleição presidencial desde o genocídio e 5 milhões de ruandeses estavam registrados para votar. Os eleitores formaram filas nos postos de votação antes do amanhecer e, segundo a comissão eleitoral, o comparecimento foi alto.

Segundo o correspondente da BBC em Kigali, Will Ross, o fato de as urnas terem sido fechadas à tarde, na hora planejada, demonstra o nível de eficiência do pleito.

Dança

Segundo o correspondente da BBC, uma vitória arrasadora de Kagame já era esperada, a única dúvida é se ele atingirá a marca dos 95% obtida nas eleições de 2003. Seu rival mais próximo obteve menos de 5% dos votos.

Uma das autoridades eleitorais, Chrysologue Karangwa, anunciou os resultados de um terço dos distritos eleitorais de Ruanda em frente a uma multidão de simpatizantes da Frente Patriótica de Ruanda (FPR) em um estádio, na segunda à noite.

"Sua excelência Paul Kagame tem 1.610.422 votos - o que equivale a 92,9% dos votos. Caros ruandeses, este é o resultado em 11 distritos. Claramente, não deve haver grandes diferenças quando anunciarmos o resultado nos outros distritos", disse ele.

Kagame, que estava dançando com sua família, levantou-se para falar à multidão: "Salve FPR. Vamos esperar até amanhã, mas é uma questão de números. De qualquer forma, a vitória está aí. Sua vitória, a vitória da FPR, a vitória de toda Ruanda", disse ele.

Kagame concorreu às eleições contra outros três candidatos, todos ligados à sua Frente Patriótica de Ruanda, dominada pelos pela etnia tutsi. Isso fez com que críticos chamassem o processo eleitoral de farsa.

Oposição real

Alguns opositores mais expressivos não puderam concorrer ao pleito e reclamaram de intimidação. Mas ao votar, Kagame afirmou que não viu nenhum problema com a forma como as eleições foram conduzidas

"O comparecimento foi alto", disse ele. "Quando vi como eles se expressaram, o povo de Ruanda, e tudo o que foi feito e dito pelo povo de Ruanda, me deu a impressão de que o processo foi bastante democrático."

Seus simpatizantes afirmam que ele fortaleceu a produção agrícola, reconstruiu as instituições do país, combateu a corrupção eficientemente e promoveu os direitos das mulheres. Frank Habineza, fundador do oposicionista Partido Verde, disse à BBC que a esperada vitória de Kagame teria mais credibilidade "se ele tivesse competido com a oposição real".

Ele afirmou que se seu partido tivesse concorrido, teria feito campanha pela democracia, justiça social e não violência - coisas que, segundo ele, estão em falta em Ruanda. "Não temos liberdade de imprensa, não temos liberdade de associação, não temos liberdade de expressão", afirmou.

Mas Habineza disse que seu partido não vai contestar o resultado, pois quer evitar violência. O vice-presidente do Partido Verde foi assassinado no mês passado. O governo nega qualquer envolvimento, mas a morte espalhou o medo entre outros partidos da oposição.

    Leia tudo sobre: ruandaeleiçãokagame

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG