Recuperação de Chávez em Cuba levanta suspeitas na Venezuela

Pós-operatório de líder venezuelano, que passou por cirurgia para retirar abscesso, já dura quatro dias

BBC Brasil |

selo

Depois de uma operação de emergência realizada na última sexta-feira em Cuba, as informações divulgadas sobre o estado de saúde do presidente venezuelano, Hugo Chávez, ainda não convencem  todos no país.

AP
Em Caracas, partidária de Chávez segura placa de apoio ao presidente venezuelano que se recupera de cirurgia (12/6)
O pós-operatório de Chávez já dura quase quatro dias, depois que o presidente foi operado em meio a uma viagem oficial à ilha cubana. Chávez teve de passar pela intervenção cirúrgica devido a um abscesso pélvico, um acúmulo de pus decorrente de uma infecção bacteriana. Esse tipo de lesão, se não for tratada a tempo, pode causar graves complicações.

O governo não divulga detalhes sobre a saúde de Chávez. Na noite de sexta, cerca de 12 horas depois da operação, o chanceler venezuelano, Nicolás Maduro, disse que a intervenção ocorreu "de maneira imediata". Maduro afirmou que a operação teve "resultados satisfatórios para a saúde" do presidente de 56 anos, e que "em poucos dias" Chávez estaria em condições de voltar a seu país.

Isso ocorreu pouco depois de um período de três semanas de repouso, no início de maio, quando Chávez voltou a sentir uma antiga lesão em seu joelho esquerdo - o que o obrigou a usar muletas.

Esse novo problema de saúde gerou preocupação e dúvidas na população, devido ao termo "abscesso pélvico", considerado muito genérico. No sábado, diversos ministros asseguraram que o processo de recuperação estava encaminhado. No entanto, não houve manifestações nem de Chávez, nem de seus médicos - sem declarações ou explicações sobre o que houve.

Entrevista

Diante da expectativa gerada pela saúde do presidente, com cobranças da oposição devido à longa ausência, comentários de apoio e dúvidas sobre o ocorrido em redes sociais, o chanceler deu uma entrevista à rede de TV Telesur no último domingo.

Maduro assegurou que Chávez havia tido dores abdominais durante a viagem, na qual também visitou o Brasil e o Equador. Essas dores, segundo o chanceler, ficaram mais agudas na chegada a Cuba. Maduro reconheceu que teria de atuar "o mais rápido possível", por ser uma região delicada onde se "poderia gerar uma infecção grave".

Depois disso, o próprio Chávez foi ao ar, por meio de telefone. "Me fizeram biópsias, estudos, microbiologia, diferentes exames de laboratório e não há nenhum sinal maligno ali", disse o presidente, que classificou a operação de "muito exitosa".

Para o presidente da Federação Médica Venezuelana, Douglas León Natera, o presidente "teve sorte de que o diagnóstico certo tenha sido feito no momento adequado", embora considere difícil opinar sobre o assunto sem saber dos detalhes.

Já o médico e ex-ministro da Saúde José Félix Oletta questiona o fato de que o quadro não foi levado a público por profissionais, e sim por parte do chanceler e do próprio Chávez.

"Não vemos a causa, vemos a consequência de um problema", disse o ex-ministro à BBC. Ele afirma que, ao desconhecer a situação de primeira mão, é preciso ser "muito cauteloso e evitar especulações". Segundo Oletta, "99,9% dos abscessos pélvicos ocorrem porque um órgão localizado na pélvis está doente".

Retorno

"O retorno dependerá do progresso e da evolução da recuperação", disse Chávez no domingo. "Não se pode responder essa pergunta com exatidão matemática."

Mas o que há de tão grave que, quatro dias depois da operação, se desconheça quando o presidente poderá retornar? Por agora, segundo especialistas, tudo está dentro dos prazos normais para esse tipo de operação. O ex-ministro da Saúde afirma que, em casos normais de abscesso pélvico, a recuperação pode durar entre cinco e sete dias. Ele disse também que, em condições normais, não recomendaria a um paciente que viaje até uma semana depois da cirurgia.

Já Natera acha que, em situações como essas, o processo de recuperação leva entre dez dias e duas semanas, período no qual o paciente deve manter repouso ou com movimentos limitados.

    Leia tudo sobre: venezuelahugo chávezcirurgiacuba

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG