Quadrilha obrigava menores brasileiras a se prostituir na Espanha

Operação policial em cidade ao sul do país desmantelou rede que forçava 52 mulheres a se prostituir sob ameaças de agressão

BBC Brasil |

selo

A polícia nacional da Espanha desmantelou uma quadrilha internacional de prostituição que mantinha menores brasileiras sob cárcere privado, segundo os investigadores. A operação na cidade de Huelva, no sul do país, terminou com 67 detidos, dos quais 52 eram mulheres forçadas a exercer a prostituição com ameaças de agressões físicas.

Leia também: Sem trabalho e perspectiva, mães buscam a prostituição no Haiti

Segundo a Brigada de Imigração da Polícia, a quadrilha foi encontrada depois que uma das prostitutas tentou o suicídio bebendo água sanitária. A vítima, que foi atendida pelos serviços públicos de saúde, denunciou o caso, indicando que havia menores retidas num bordel, cooptadas com falsas promessas de trabalho.

Método

De acordo com nota pública, as menores foram aliciadas na Catalunha. Supostamente a quadrilha lhes ofereceu trabalhos bem remunerados durante os períodos de verão como garçonetes, relações públicas e dançarinas em bares do litoral espanhol.

Saiba mais: Polícia resgata vítimas de tráfico sexual na Amazônia peruana

Assim que fechavam o acordo, as menores eram avisadas de que tinham uma dívida pelos gastos administrativos dos tratos e deveriam pagar com serviços de prostituição. Na batida no último final de semana no bordel de Huelva os detetives comprovaram que as mulheres viviam "em condições sub-humanas e as vítimas relataram que estavam submetidas a coações e ameaças à sua integridade física", diz a nota.

Segundo a polícia, as menores brasileiras estão sob a guarda dos serviços públicos e deverão viajar para o Brasil quando a justiça liberar sua documentação.

Os 15 detidos acusados de serem integrantes da quadrilha formada por brasileiros, romenos, espanhóis e nigerianos serão julgados por delitos de tráfico de seres humanos, exploração sexual, falsificação de documentos, imigração clandestina e corrupção de menores. Eles podem pegar entre seis e 18 anos de cadeia cada um.

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG