Primo de Álvaro Uribe é preso pela segunda vez na Colômbia

O ex-senador colombiano Mário Uribe Escobar, primo e aliado político do presidente da Colômbia, Álvaro Uribe, foi preso nesta quarta-feira por suposto envolvimento com grupos paramilitares. O escândalo, que envolve dezenas de políticos colombianos, ficou conhecido como parapolítica.

BBC Brasil |

Mário Uribe foi preso em Medellin horas depois que a Suprema Corte ordenasse sua captura. O ex-congressista deve ser levado à capital Bogotá para responder à acusação de conspiração para cometer atos criminosos, conforme informou a imprensa local.

Ainda não está claro em quais circunstâncias o ex-presidente do Congresso foi detido.

Em uma tentativa de evitar o julgamento pela Suprema Corte, considerada a mais dura do país, Mário Uribe renunciou ao cargo de senador em 2007, para assim poder ser julgado pela Promotoria Geral da Nação.

No entanto, há seis meses, a Suprema Corte recuperou o direito de julgar os parlamentares envolvidos com a parapolítica, mesmo que eles tenham renunciado a seus mandatos, como é o caso do primo do presidente.

Prisão
O ex-senador havia sido preso em abril de 2008, depois de ter seu pedido de asilo e refúgio negado na embaixada da Costa Rica em Bogotá.

Em agosto do mesmo ano, o primo do presidente foi solto por um promotor que considerou não ter elementos suficientes para privá-lo da liberdade. O processo contra ele, no entanto, prosseguiu.

As investigações contra Mário Uribe tiveram início em 2007. Em relato ao Ministério Público, ex-chefes paramilitares acusaram a Mario Uribe de fazer acordos políticos com paramilitares das Autodefesas Unidas da Colômbia (AUC) para conquistar sua cadeira no Senado nas eleições de 2002.

De acordo com relato do chefe paramilitar Jairo Castillo Peralta, conhecido como "Pitirry", Uribe teria se reunido duas vezes com grupos paramilitares para acordar a compra de terras nos departamentos de Córdoba e Antioquia com objetivos eleitorais.

A defesa de Mário Uribe, por sua vez, argumenta que as reuniões que o ex-congressista teve com chefes paramilitares, entre eles, Salvatore Mancuso, tinham como objetivo mediar o processo de paz para a desmobilização das AUC.

Criadas em 1980 com o financiamento de latifundiários e líderes de direita, sob o argumento de combater as guerrilhas, os grupos paramilitares (AUC) são responsabilizados por milhares de assassinatos e de outros crimes relacionados com o narcotráfico.

Relação próxima
A aliança entre Mário e Álvaro Uribe é antiga. Além de primos de primeiro grau, os dois foram aliados políticos durante mais de duas décadas no departamento (Estado) de Antioquia, no noroeste da Colômbia, onde o atual presidente foi governador e congressista.

Os dois fundaram o partido Colômbia Democrática. Mario Uribe é líder do partido que tem seis de seus congressistas acusados por envolvimento com paramilitares.

O presidente ainda não comentou a detenção do primo.

A prisão de Mario Uribe ocorre dois dias antes da votação na Corte Constitucional do projeto de referendo que pode permitir a Uribe disputar um terceiro mandato presidencial nas eleições de maio.

Mario Uribe foi um dos principais promotores da reforma constitucional que permitiu a primeira reeleição de Álvaro Uribe.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG