Presidente do Iêmen afirma que não disputará reeleição

Em meio a protestos no mundo árabe, Ali Abdullah Saleh afirma que deixará o governo em 2013, após mais de 30 anos no poder

BBC Brasil |

selo

O presidente do Iêmen, Ali Abdullah Saleh, afirmou nesta quarta-feira que não irá tentar estender o seu mandato, que termina em 2013, em meio a um cenário de protestos e manifestações pró-democracia no mundo árabe.

O anúncio ocorre um dia antes de uma série de manifestações convocadas pela sociedade civil e por grupos da oposição contra o presidente, que se mantém no poder há mais de 30 anos.

Em janeiro, Saleh propôs uma emenda constitucional que permitiria sua reeleição no pleito previsto para 2013. Isto deu início às manifestações, que exigem um governo mais democrático e reformas que melhorem a situação econômica do país.

Saleh assumiu a Presidência da República Árabe do Iêmen (ou Iêmen do Norte) em 1978, por meio de um golpe militar. Em 1990, ele tornou-se presidente da nova república, criada a partir a fusão entre os Iêmens do Norte e do Sul.

Saleh colaborou com os Estados Unidos na chamada guerra ao terror, durante o mandato de George W. Bush. A grande presença de militantes da rede Al-Qaeda, que ameaça frequentemente o regime, é uma das maiores preocupações do governo.

As duas eleições que Saleh venceu - em 1999 e 2006 - foram marcadas por acusações de fraude por parte da oposição. Segundo o correspondente da BBC David Bamford, o governo de Saleh enfrenta acusações de corrupção e de concentração de poder em torno de seu clã. O partido governista, o Congresso Geral do Povo, tem ampla maioria no Parlamento.

Onda de protestos

As recentes ondas de protestos no mundo árabe já derrubaram o presidente da Tunísia, Zine al-Abidine Ben Ali, e levaram o rei da Jordânia, Abdullah, a trocar seu gabinete.

No Egito, as manifestações que já duram mais de uma semana exigem a saída do presidente Hosni Mubarak, que já anunciou que não concorrerá à reeleição. A ONU estima que mais de 300 pessoas tenham morrido nos distúrbios egípcios.

    Leia tudo sobre: egitotunísiajordâniaiêmenprotestosmundo árabe

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG