Presidente colombiano anuncia por Twitter liberação de menina sequestrada

Não há informações sobre quem ou qual organização foi responsável por sequestro de garota de dez anos que comoveu país

BBC Brasil |

selo

Reprodução
Sequestro de Nohora Valentina provocou comoção na Colômbia
O presidente da Colômbia, Juan Manuel Santos, anunciou pelo site de microblogs Twitter o fim do sequestro da menina colombiana Nohora Valentina Muñoz . Santos agradeceu ao Comitê Internacional da Cruz Vermelha, que intermediou as negociações para a libertação da menina.

Não se sabe quem ou que organização foi responsável pelo sequestro. Nohora é filha do prefeito da cidade de Fortul, no Departamento (Estado) de Arauca, no leste do país. Ela tem dez anos de idade e ficou 19 dias em cativeiro em um caso que chocou a Colômbia.

Milhares de pessoas saíram às ruas para pedir sua libertação. A campanha teve o apoio de figuras importantes; além do presidente do país, o papa Bento 16. O sequestro ocorreu no dia 29 de setembro, quando Nohora ia para a escola acompanhada por sua mãe.

Pelo menos 2 mil soldados e policiais trabalharam nas buscas pela menina em todo o Departamento de Arauca, que faz fronteira com a Venezuela e onde operam guerrilheiros das Farc e do Exército de Libertação Nacional, além de grupos criminosos ligados ao tráfico de drogas.

O governo chegou a oferecer uma recompensa equivalente a cerca de US$ 80 mil (R$ 140 mil) por informações sobre o paradeiro ou os sequestradores de Nohora. Muitos responsabilizam as Farc pelo sequestro, mas não houve pronunciamento oficial do governo ou da organização.

Antes da libertação da menina, seu pai, Jorge Enrique Muñoz, disse que não estava interessado em saber quem havia levado sua filha. Queria apenas que ela fosse solta. "É uma menina de dez anos. Neste momento, ela deve estar desesperada."

    Leia tudo sobre: colômbiasequestrofarc

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG