Presidente afegão diz que não conseguiu tornar país seguro

Dez anos após invasão liderada pelos EUA, líder afirma que seu governo e a Otan falharam em oferecer segurança ao povo

BBC Brasil |

selo

EFE
Hamid Karzai durante discurso no palácio presidencial em Cabul (12/07)
O presidente do Afeganistão, Hamid Karzai, disse à BBC que seu governo não conseguiu tornar o país seguro, dez anos após a invasão liderada pelos EUA que derrubou o Taleban, completados nesta sexta-feira.

"Nós fomos muito mal em termos de oferecer segurança ao povo afegão e esta é a maior falha de nosso governo e de nossos parceiros internacionais", disse ele.

Em sua primeira entrevista em meses para a imprensa internacional, Karzai disse que parte da responsabilidade pela violência foi causada pela decisão de não combater santuários do Taleban nas áreas tribais do Paquistão.

"A Otan, os EUA e nossos vizinhos paquistaneses deveriam ter se concentrado há muito tempo, por volta de 2002 ou 2003, nos santuários do Taleban", disse ele.

Leia também: Após dez anos da Guerra do Afeganistão, EUA buscam saída honrosa

Em meses recentes, o Taleban lançou uma série de ataques em grandes cidades afegãs e contra alvos militares. O ex-presidente Burhanuddin Rabbani foi morto no mês passado. Karzai responsabilizou o Paquistão pela capacidade de o Taleban realizar tais ataques.

"O Taleban não seria capaz de mover um dedo sem a ajuda do Paquistão", disse ele. O governo paquistanês nega qualquer tipo de apoio a insurgentes no Afeganistão.

Sucessor

Karzai afirmou que deve deixar o poder em 2014 e disse estar trabalhando para encontrar um sucessor.

"Sinto ser minha responsabilidade trabalhar para que os afegãos confiem no próximo presidente e que ele sirva este país", afirmou.

Karzai disse acreditar que a corrupção no país diminuirá com a retirada das tropas estrangeiras em 2014. "A realidade deste tema é que uma parte muito, muito grande da corrupção no Afeganistão emana da comunidade internacional", disse.

Apesar de avanços nas áreas de saúde e educação, grupos de defesa dos direitos humanos e organizações humanitárias dizem que ainda existem enormes desafios. A ONU diz que mais de 10 mil civis foram mortos violentamente apenas nos últimos cinco anos. Mas de 2,5 mil soldados estrangeiros foram mortos, a maioria americanos.

O conflito já ultrapassou o do Vietnã como o que mais tempo envolveu os Estados Unidos. Correspondentes dizem que integrantes de governos ocidentais admitem que partes do país devem permanecer inseguras e marcadas por violência após 2014 e poucos esperam o fim da guerra a menos que se chegue a um acordo com o Taleban.

    Leia tudo sobre: karzaiafeganistão10 anos afeganistãoeuataleban

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG