Policial da equipe que matou Jean Charles treina time olímpico, diz jornal

Treinador da equipe de hóquei integrou grupo que, em 2005, matou eletricista brasileiro ao confundi-lo com terrorista no Reino Unido

BBC Brasil |

selo

BBC
O brasileiro Jean Charles de Menezes em foto sem data
O diário britânico The Times traz neste domingo uma entrevista com com Andy Halliday, um ex-policial que integrou a equipe responsável pela morte do eletricista brasileiro Jean Charles de Menezes, e que agora é o treinador do time de hóquei olímpico da Grã-Bretanha.

Jean Charles foi morto a tiros em 22 de julho de 2005, dentro da estação de metrô de Stockwell após os policiais terem-no confundido com um dos autores de uma tentativa frustrada de ataque no dia anterior, em meio à tensão causada após uma série de atentados lançados em 7 de julho daquele ano , que deixaram 52 mortos.

Saiba mais: Os atentados mais mortíferos na Europa Ocidental desde 1995

''Quando descobrimos no dia seguinte (que haviam matado a pessoa errada) foi horrível. Até me lembro onde estava: sentado em uma das salas do nosso QG. Um homem inocente havia sido morto. Um homem de família como nós. É um golpe forte'', disse Halliday.

Halliday conta ter-se sentido ''perturbado pessoalmente por semanas, talvez meses depois'', mas justifica a ação da polícia, dizendo que ''genuinamente pensamos que confrontávamos um terrorista suicida''.

'Coisa certa'

Ele ainda acrescenta que, ''profissionalmente, foi a coisa certa a se fazer''. ''Se tivéssemos de fato confrontado um terrorista naquele dia, teríamos sido saudados como heróis."

Halliday passou quase 30 anos na Polícia Metropolitana de Londres e integrava a divisão de armas da corporação. Ele conta que, após a morte do brasileiro, perdeu o entusiasmo em trabalhar no setor armado da polícia.

Os policiais britânicos, de um modo geral, não andam armados, exceto por divisões especiais, como à que Halliday pertencia. Pouco após o incidente e depois de ter recebido acompanhamento do programa pós-trauma da polícia, ele deixou a corporação e retomou o hóquei, esporte que havia praticado na juventude.

Ele conta que as Olimpíadas e os eventos que se seguiram aos atentados de 7 de julho de 2005 sempre estiveram ''estranhamente interligados'' em sua vida.

No dia em que foi interrogado pela Comissão Independente de Queixas contra a Polícia (IPCC, na sigla em inglês), Halliday foi também entrevistado para ser o treinador da equipe olímpica sub-21 da Grã-Bretanha e os ataques de 7 de julho aconteceram um dia após a Grã-Bretanha ter sido oficialmente escolhida como país-sede dos Jogos de 2012.

''Como consequência desses dois enormes eventos, o rumo da minha vida mudou consideravelmente'', afirmou.

    Leia tudo sobre: grã-bretanhajean charleslondresataques

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG