Polícia faz buscas por corpos em zona de exclusão nuclear no Japão

Operações para encontrar vítimas de terremoto e tsunami na região tinham sido adiadas devido ao temor de radiação

BBC Brasil |

selo

Um total de 300 policiais japoneses deram início nesta quinta-feira a buscas por corpos em um raio de 10km da área da usina nuclear de Fukushima Daiichi, após o terremoto e o tsunami que atingiram o Japão em 11 de março.

Acredita-se que haveria mil corpos ainda alojados na região, mas operações para encontrá-los vêm sendo adiadas devido ao temor de radiação. A usina de Fukushima Daiichi sofreu uma série de explosões após ter sido abalada pelo tsunami e pelo terremoto de magnitude 9,0.

AFP
Mulher segura cartaz que pede fim de usinas nucleares durante protesto em Tóquio

Funcionários estão trabalhando para manter a usina sob controle, após os sistemas de resfriamento de três reatores da usina terem sido danificados pelo tremor de terra. Os policiais iniciaram as buscas usando roupas protetoras.

De acordo com a polícia, os trabalhos só foram retomados graças à redução do nível de radiação da área, que permanece como zona de exclusão para os moradores que habitavam no local.

Números incertos

As autoridades japonesas dizem ser impossível dar uma estimativa mais precisa de quantas pessoas ainda estão desaparecidas na região. Segundo os policiais, caso sejam encontrados corpos contaminados por altos níveis de radiação, eles serão lavados antes de serem levados para o necrotério.

O terremoto causou a morte de pelo menos 13.456 pessoas. Outras 14.851 ainda estão desaparecidas, enquanto mais de 150 mil estão desabrigadas.

O governo prometeu que irá melhorar suas operações de comunicação após um assessor governamental ter causado protestos por parte de pessoas que foram desalojadas. O assessor teria dito que, segundo o primeiro-ministro japonês, Yukio Edano, as pessoas evacuadas só poderiam retornar às suas casas dentro de 10 ou 20 anos.

Na segunda-feira, o governo havia dito que iria expandir a zona de exclusão em torno de Fukushima. Atualmente, o bloqueio em torno da usina é de 20km. Além disto, vigora ainda uma política que permite a permanência das pessoas dentro de casa em um raio entre 20km e 30km da usina nuclear. Nas próximas semanas, o governo pretende evacuar moradores de áreas fora da zona de 20km, onde elevados níveis de radiação foram encontrados.

Resfriamento

Ações para estabilizar a usina nuclear continuam em vigor. Engenheiros estão aplicando água sobre os geradores a fim de resfriá-los, após estes terem sido danificados pelo terremoto. Será preciso remover água do subsolo dos reatores 1,2 e 3 até que operações de resfriamento fundamentais para a operação possam entrar em vigor.

Na terça-feira, no entanto, a operadora Tepco (Tokyo Electric Power Company), que controla a usina, disse que os níveis de água continuam subindo, mesmo após terem sido feitas operações de drenagem.

    Leia tudo sobre: japãofukushimaterremototsunamiusina nuclear

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG