Pesquisadores americanos testam técnica que 'lê' mente de suspeitos de planejar ataques

Autores dizem que foram capazes de extrair informações "secretas" de voluntários com grande precisão

BBC Brasil |

selo

Pesquisadores americanos estão tentando desenvolver testes capazes de "ler" a mente de uma pessoa para identificar informações escondidas . O objetivo da equipe é que os testes sejam aplicados, por exemplo, em pessoas suspeitas de planejar ataques para extrair detalhes sobre as operações.

Os testes se baseiam em informações obtidas previamente, como rumores e conversas entre suspeitos. O estudo - que desperta comparações com o filme de ficção científica Minority Report - A Nova Lei, estrelado pelo americano Tom Cruise - foi feito por pesquisadores da Northwestern University, em Illinois, e publicado pela revista especializada Psychophysiology.

Seus autores disseram que foram capazes de extrair informações "secretas" de voluntários com grande precisão. A técnica se baseia na chamada atividade P300, sinais elétricos registrados no córtex cerebral. Segundo os autores do estudo, quando uma pessoa que tem "conhecimentos escondidos" recebe estímulos relevantes, ocorre um aumento na atividade P300 no seu cérebro.

As primeiras pesquisas envolvendo ondas cerebrais P300 surgiram na década de 1980, quando um grupo de cientistas tentou usá-las como base para a criação de detectores de mentira. Críticos, no entanto, argumentaram na época que esses testes mediam emoções em vez de conhecimento.

Simulação

Os participantes do estudo, 29 estudantes da Northwestern University, planejaram um ataque fictício com base em informações que receberam sobre bombas e armas letais. Para memorizar as informações, eles escreveram cartas detalhando o plano. Meia hora depois, com eletrodos em suas cabeças, os participantes observaram telas de computador mostrando palavras, imagens ou sons. As palavras Boston, Houston, Nova York, Chicago e Phoenix, por exemplo, foram exibidas na tela aleatoriamente.

Concluídos os testes, os pesquisadores constataram que o nome da cidade escolhida pelos participantes como alvo do ataque fictício evocou a maior atividade das ondas P300 no cérebro dos voluntários.

Segundo o professor de psicologia J. Peter Rosenfeld, chefe do estudo, quando os pesquisadores sabiam de antemão os detalhes sobre um ataque fictício, foram capazes de identificar as ondas P300 em conexão com "informações culpadas" em 100% dos casos.

Mas, para o especialista, o que torna o estudo importante no mundo real é que mesmo quando os pesquisadores não sabiam de antemão os detalhes do ataque fictício, a técnica foi capaz de identificar informações secretas relevantes em mais de 80% dos casos.

"Sem conhecimento anterior a respeito dos crimes planejados nos nossos cenários terroristas fictícios, fomos capazes de identificar 10 em cada 12 terroristas e 20 em cada 30 detalhes relativos ao crime", disse Rosenfeld. "O teste foi 83% preciso na identificação de informações escondidas, o que indica que nosso procedimento complexo poderia identificar futuras atividades terroristas."

Os autores do estudo dizem que seu objetivo é criar um teste que permita que a polícia identifique detalhes como data, local e tipo de arma relativos a um ataque com base em rumores e conversas entre suspeitos. Segundo a equipe, essa foi a primeira vez que testes envolvendo ondas P300 foram usados em conexão com eventos futuros.

    Leia tudo sobre: aviaçãoterrorismoaeroportossegurançadesastres aéreos

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG