Paraguai prende brasileiros por ataque a senador

Detidos seriam suspeitos em atentado contra senador aliado do governo em cidade na fronteira do Brasil

BBC Brasil |

Reuters
Carro do senador foi alvejado na última segunda-feira
A polícia do departamento (Estado) paraguaio de Amambay confirmou nesta terça-feira que dois brasileiros foram presos acusados de terem participado de um atentado contra um senador na última segunda-feira .

O carro onde estava o senador paraguaio Robert Acevedo foi baleado na cidade de Pedro Juan Caballero, que faz fronteira com Ponta Porã (MS), e o motorista e o segurança de Acevedo morreram.

Os brasileiros Nevailton Marcos Cordeiro, que seria do Estado de São Paulo, e Eduardo da Silva, de Vitória (ES), foram presos em Pedro Juan Caballero. Eles seriam ligados, segundo a polícia, ao grupo PCC (Primeiro Comando da Capital), o que ainda não foi confirmado.

O crime ocorreu num dos cinco departamentos onde desde sábado foi imposto o estado de exceção, determinado pelo presidente paraguaio Fernando Lugo, com soldados do Exército nas ruas.

O atentado também registrado poucos dias antes do encontro marcado para segunda-feira, em Ponta Porã, entre Lugo e o presidentes Luiz Inácio Lula da Silva.

A situação gerou preocupação entre assessores brasileiros e especula-se que a segurança possa ser reforçada durante a reunião.

O ataque

O senador Robert Acevedo, do governista Partido Liberal, viajava no seu carro, com o motorista e o segurança, quando o automóvel foi atingido por vários tiros. O parlamentar ficou ferido e foi internado num hospital local. "Me salvei por milagre", disse, mais tarde, à imprensa paraguaia.

Acevedo é conhecido por fazer denúncias contra grupos criminosos na região, mas, de acordo com o jornal paraguaio ABC, também é denunciado por irregularidades pelos adversários.

A polícia não vê ligação entre o crime e o estado de exceção determinado por Lugo, após seu pedido ter sido aprovado pelo Congresso Nacional, no sábado. Especula-se que o caso de Acevedo seria isolado, mas que confirma o clima de tensão no Paraguai.

Na semana passada, outras quatro pessoas morreram no Paraguai numa emboscada, entre elas dois brasileiros, quando estariam tentando localizar, por conta própria, ladrões de gado.

O governo paraguaio atribuiu a emboscada e as mortes ao grupo armado EPP (Exército do Povo Paraguaio), um grupo rebelde de esquerda. Foi este episódio que levou Lugo a solicitar o estado de exceção em cinco dos 17 departamentos do país. A medida vai durar por trinta dias.

    Leia tudo sobre: Paraguaiatentado

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG