Ossos de Simón Bolívar são exumados na Venezuela

Hugo Chávez que esclarecer se herói da independência foi assassinado há quase dois séculos

BBC Brasil |

selo

Reuters
Imagem de vídeo mostra cerimônia na qual os ossos de Bolívar foram exumados
Os ossos do herói da independência venezuelana, Simón Bolívar (1783-1830), foram exumados nesta sexta-feira a pedido do presidente Hugo Chávez. O líder venezuelano quer esclarecer se Bolívar foi ou não assassinado há quase dois séculos.

Para Chávez, Bolívar foi vítima de uma conspiração e não morreu de tuberculose, como acredita a maioria dos historiadores. Chávez anunciou a exumação dos restos de Bolívar em sua conta no Twitter, afirmando que "chorou de emoção".

"Que momentos impressionantes vivemos esta noite. Vimos os ossos do Grande Bolívar!", escreveu o Chávez no site de microblogging. "Aquele glorioso esqueleto deve ser de Bolívar, pois sua chama pode ser sentida. Bolívar vive!", acrescentou.

Peritos criminais

A Procuradora-Geral da República, Luisa Ortega Díaz, afirmou que mais de 50 especialistas, incluindo peritos criminais e patologistas examinaram os ossos para verificar se Bolívar foi vítima de uma conspiração e não de uma doença. "Fizemos descobertas importantes que serão anunciadas à nação no momento apropriado", disse Díaz.

Conhecido como "o Libertador", Simón Bolívar liderou a guerra revolucionária no século 19 contra a Espanha, conseguindo a independência de territórios que depois viriam a constituir a Venezuela e vários outros países da América do Sul.

O presidente venezuelano alega que Bolívar foi a inspiração para a sua chamada revolução "bolivariana", apesar de alguns historiadores afirmarem que Bolívar não concordaria com algumas políticas socialistas de Hugo Chávez.

    Leia tudo sobre: venezuelahugo chávezsimón bolívar

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG