Organizador diz que Loveparade não será mais realizada

Após 19 mortes no último sábado em Duisburg, na Alemanha, criador do festival de música eletrônica anuncia fim do evento

BBC Brasil |

selo

O organizador do festival de música eletrônica Loveparade, Rainer Schaller, afirmou que o evento nunca mais será realizado depois que 19 pessoas morreram pisoteadas durante um tumulto durante o desfile, no sábado, na cidade de Duisburg, na Alemanha. Schaller disse em uma coletiva de imprensa neste domingo que não consegue expressar o choque que sentiu com a tragédia.

As autoridades alemãs já começaram a investigar o que teria causado o empurra-empurra, que deixou 340 pessoas feridas, dezenas delas seriamente.

Sobreviventes culparam os organizadores pela tragédia. Testemunhas criticaram a decisão de ter apenas uma entrada para a área do desfile, através de um túnel, e afirmaram ter alertado a polícia sobre os riscos de superlotação. Os organizadores negam que o local fosse pequeno para o desfile. O prefeito de Dusiburg afirmou que um plano de segurança havia sido estabelecido antes do evento.

A maioria das vítimas morreu pisoteada na entrada do túnel de acesso que conectava uma antiga estação de trem para a área do desfile. Entre as vítimas havia cidadãos da Austrália, China, Itália e Holanda.

A polícia afirmou que a área já tinha sido fechada por causa da superlotação. Quem tentava chegar ao local era orientado com megafones a dar meia-volta, mas nesse momento o pânico se iniciou.

"Você não pode colocar um milhão de pessoas atrás de cercas, você tem que deixá-las andar livremente para que coisas como essa não aconteçam", uma testemunha contou a jornalistas. As equipes de resgates tiveram dificuldades para chegar até as vítimas do pisoteamento, segundo testemunhas, por causa da multidão.

'Plano sólido'

Segundo a polícia, cerca de 1,4 milhão de pessoas compareceram ao evento. O criador da Love Parade, que atende pelo nome de Dr Motte (Dr Moth), criticou a decisão de ter apenas uma entrada para a área do desfile. "Os organizadores não mostraram qualquer responsabilidade pelas pessoas. Uma única entrada através de um túnel leva ao desastre. Estou muito triste", disse ele.

A chanceler alemã Angela Merkel enviou suas condolências às famílias e amigos das vítimas. "Jovens vieram para a festa, para se divertir. Em vez disso, houve morte e ferimentos. Estou horrorizada e triste pela tristeza e dor", disse ela.

O prefeito de Duisburg Adolf Sauerland afirmou que foi um "trágico acidente" mas defendeu as medidas de segurança adotadas para o festival e prometeu uma investigação completa. "As investigações, que já começaram, precisam estabelecer a sequência de acontecimentos", disse ele.

As circunstâncias exatas do pisoteamento ainda não estão claras. Segundo o comissário de polícia Juergen Kieskemper, citado pela agência de notícias Reuters, a situação havia se tornado "muito caótica".

Ao que parece, a maior parte das vítimas foi pisoteada até a morte, mas as autoridades sugerem que algumas pessoas morreram ou ficaram feridas quando tentaram fugir do local pulando uma cerca e caindo de vários metros de altura.

Uma jovem disse ao jornal Die Welt: "Em todo o lugar que você olhava havia pessoas com o rosto azul. Meu namorado me puxou por cima dos corpos, caso contrário, nós dois teríamos morrido ali. Como posso esquecer esses rostos? Os rostos dos mortos".

A Loveparade atrai fãs de música eletrônica de todo o mundo, com carros alegóricos do Brasil, Rússia, Holanda, Espanha e Austrália, entre outros países. O desfile pelas ruas da cidade deveria durar 10 horas e não foi cancelado, mesmo depois da tragédia.

O evento começou em Berlim em 1989 como uma manifestação de paz, e se tornou um grande festival ao ar livre. Muitos dos mais famosos DJs internacionais também participam do desfile.

    Leia tudo sobre: LoveparadeconfusãoAlemanhapisoteamento

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG